ISE realiza ação em homenagem ao dia das mães

Internas passaram a manhã com companhia bastante especial

As internas do Instituto Socioeducativo (ISE) tiveram um dia diferente nesta sexta-feira (10). Em homenagem ao dia das mães, que se comemora no domingo (12), as internas tiveram a oportunidade de passar toda a manhã com uma companhia bastante especial.

Estão internas atualmente 58 adolescentes, elas cumprem medidas sócio-educativas e ficam internas durante o tempo que o juiz achar necessário. É na própria unidade que as jovens estudam, reliam atividades em contraturno e descansam, uma rotina que visa mostrar a elas que ainda há tempo para corrigir os erros do passado.

A presença das mães, que geralmente só podem visitar as filhas aos domingos, fez toda a diferença no café da manhã das adolescentes. Um espaço temático foi preparado para deixar o momento ainda mais especial.

“Para as mães tem toda uma festa, todo um aparato para aumentar esse contato e esse momento é muito importante porque a mãe é a peça fundamental da família, é a base de tudo, então, esse momento de trazer as mães para uma atividade dentro da unidade é muito importante para o processo de ressocialização”, disse o presidente do Instituto Socioeducativo, Leilson Costa.

“A maioria das adolescentes quando chegam aqui já perderam o vínculo familiar, elas não têm mais contato com a mãe e quando chega aqui é que nós chamamos a mãe para conversar e esse vínculo é retomado”, explicou a Diretora do ISE, Alessandra Viana.

E tudo indica que a atividade alcançou o objetivo proposto. O encontro mexeu com o emocional. Nas mães, pela esperança de ver as filhas ressocializadas, e nas filhas de reconquistar o orgulho e a confiança das mães.

“Primeira e última vez que eu venho para cá porque minha filha disse que não vai mais querer essa vida então para mim já é uma grande vitória”, falou a motorista de ônibus, Geneilsa Custódio.

“No próximo dia das mães eu vou estar com ela, com as minhas irmãs tudo reunidas, vou fazer tudo diferente porque eu não quero mais que minha mãe passe o que ela passou e eu quero mudar”, declarou Maria*.

Emoção dupla passou a Joana, ela tem um filho de dois anos que, há cinco meses, desde que ela foi internada, mora em Porto Velho com o pai. A família dela é de Mâncio Lima e também não consegue visitar toda semana e nesse dia especial, acabou ficando sozinha. Mais um motivo para repensar os erros que cometeu e traçar novos desafios pela frente.

“Eu vou pensar duas vezes antes de fazer qualquer besteira, quando eu sair daqui quero fazer tudo diferente”, concluiu Joana*.

*Maria, Joana são nomes fictícios para preservar a identidade das menores.