Quinta-Feira, 20 de Junho de 2019
Você está aqui: Home Cotidiano Extrativista sofre acidente na Resex Chico Mendes

Extrativista sofre acidente na Resex Chico Mendes

Familiares pedem socorro para realizar o resgate

O extrativista João Ferreira de Moraes sofreu um acidente na manhã de sábado enquanto trabalhava em sua propriedade, localizada na, em Capixaba.

Ele andava a cavalo quando caiu e foi arrastado pelo animal. Muito ferido, chegou a ser socorrido por familiares e ficou praticamente imóvel, dentro de uma rede.

O senhor João ferreira foi o personagem principal de uma série de reportagens intitulada: "Caminhos da Castanha", exibida em todos os telejornais da TV Gazeta em abril desse ano.

O local onde mora é de difícil acesso, para chegar só é possível por água, por meio do Igarapé Caipora ou por terra, mas por meio de florestas, atravessando igarapés e outros empecilhos.

Parte é possível ir a cavalo, outra de quadriciclo, moto ou mesmo a pé, mas a distância impede o socorro.

A equipe de reportagem da TV Gazeta mostrou essa realizada na época em que esteve no local.

De barco, demora cerca de dois dias pelo Igarapé Caipora, mas como está no período de estiagem, o nível das águas está baixo e não há como navegar.

Sem ter como se locomover, os familiares vieram por terra a Rio Branco para pedir ajuda. Adriano Silva, que mora na capital, mas é amigo da família do seu João, foi quem pediu o primeiro socorro no Samu. A ideia era enviar um helicóptero até a região.

“Seu João estava saindo para ir trabalhar quando ele subiu no cavalo, o cavalo se assustou, deu alguns pulos, o João caiu e ficou enganchado com uma perna nos trilhos e o cavalo saiu arrastando ele que logo em seguida desmaiou. Tudo isso aconteceu no sábado de manhã e no domingo nós tentamos resgatar ele de carro até onde termina o ramal, mas não conseguimos trazer ele porque está numa situação bem delicada, está tendo dificuldades para respirar, com suspeita de fratura nas costelas, vamos ver se vai dar certo”, disse o Adriano.

Os familiares foram recebidos por um médico e um coordenador do Samu. Eles foram informados que a aeronave do governo para o resgate está em manutenção e só vai ficar pronta no fim dessa semana, a vítima não suportaria esperar tanto tempo.

“Nós fomos informados que a aeronave se encontra em manutenção preventiva, estamos procurando outras maneiras para realizar esse resgate. Fizemos contato com o Tenente médico Coronel Felipe Caval do exército para ver se há disponibilidade de aeronave do exército para nos auxiliar nesse resgate e uma segunda estratégia é acionar a equipe dos bombeiros para ver se eles dão alguma solução”, explicou o coordenador do Samu.

Uma alternativa dada pelos familiares seria enviar um médico por meio de paratrike, que é um equipamento composto por parapente e um veículo motorizado, mas isso seria arriscado. “Nós temos equipamentos para imobilizar o paciente, mas precisamos prezar pela segurança tanto da equipe quanto do paciente, vamos avaliar para ver se é realmente um transporte seguro para não colocarmos ninguém em risco”, falou Pedro Pascoal.

Depois de correr por toda manhã, não teve jeito, o resgate precisou ser por terra mesmo, mas dois pilotos de paramotor foram antes.

Os pilotos de paramotor vão chegar pelo menos três horas antes do resgate do Corpo de Bombeiros. A ideia é pegar quadriciclos e ir até o encontro da equipe que vai por terra para guiá-los até a colocação que está a vítima.

“O bombeiro vai com uma equipe por terra através de um acesso que existe em capixaba, eu e o Josenir Melo vamos de paramotor para antecipar e ajudar na chegada da equipe”, ressaltou Adriano.

A decolagem foi realizada no final da manhã, mas o tempo não estava favorável. Só será possível saber se toda essa saga deu certo nos próximos dias, quando as equipes retornarem.

agazeta logotipoAv. Antônio da Rocha Viana, 1.559
Vila Ivonete - Cep. 69.914-610
Rio Branco - Acre
Tel.: (68) 2106-3050
Fax: (68) 2106-3081

Fique Conectado