Acre pode se tornar zona livre da febre aftosa

Estado apresentou bons resultados na 1ª fase de vacinação

Um plano estratégico desenvolvido pelo Governo Federal pretende tornar o Brasil uma zona Livre de febre aftosa sem vacinação. Para isso, o país foi dividido em 5 blocos. O Acre está juntamente com o estado de Rondônia, integrando o Bloco 1, que já apresentou bons resultados na primeira fase de vacinação de 2019, ocorrida no mês de maio.

A segunda campanha ocorrerá a partir do dia 1º de novembro, e essa tem probabilidade de ser a última no estado. “A proposta é que em 2016 todo o país não precise mais vacinar o seu rebanho e o estado do Acre, Rondônia e alguns municípios do Mato Grosso serão os pioneiros a passar por essa transição”, afirma Rogério Mello, diretor presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (IDAF).

A partir do momento em que o Acre se tornar reconhecido como zona livre de febre aftosa sem vacinação, uma nova forma organizacional de fiscalizações precisará ser feita.

Segundo Rogério Mello, O IDAF, com supervisão do Ministério da Agricultura, já está se preparando para essas mudanças. “Com a retirada da vacina nós precisamos substituir a defesa do nosso rebanho, então o IDAF vai ter uma participação muito mais ativa na fiscalização e na educação sanitária e também vai precisar investir em tecnologia.”