Mãe de menina baleada por acidente fala sobre o caso

“Meu coração diz que minha filha vai sair bem dessa”

O acidente ocorreu no último sábado, em uma propriedade rural do município de Rodrigues Aves.

“Meu primo estava matando um boi, aconteceu umas onze e meia, pedi pra ela ir na minha irmã deixar um arroz, quando eu escutei o tiro e olhei ela já estava no chão, a primeira impressão que eu tive foi que ela tinha desmaiado com medo de alguma coisa, talvez até do tiro mesmo, mas quando corri e vi ela se mexendo com as perninhas e virando os olhinhos eu percebi que tinha sido o tiro”, contou Maria Paulina, mãe da vítima.

O tiro de espingarda entrou pela testa e saiu pela região localizada logo atrás da orelha. O pai levou a filha de moto até uma ambulância do SAMU que seguiu para Cruzeiro do Sul, de onde a menina foi transferida para Rio Branco. Já na capital, ela precisou ser submetida a uma cirurgia de emergência.

A menina permanece internada aqui na UTI do Hospital da Criança. Ela está sedada, mas dentro da gravidade da situação, tem respondido bem ao tratamento.

A médica intensivista pediátrica Socorro Elizabeth acompanha, de perto, toda a assistência destinada à criança. Novos exames de tomografia devem ser realizados para, aos poucos, a sedação ser retirada. “Foi um tiro na cabeça, então sempre há o risco de sequelas, mas a gente não tem como quantificar isso nesse momento e uma coisa que deixa a gente mais tranquila, se é que a gente pode usar essa palavra, é que a criança tem uma plasticidade cerebral muito grande, então eles têm condições de recuperar muita coisa que às vezes para um adulto, um idoso, não é possível.”

Ainda bastante abalada com a situação, dona Maria Paulina conta que o primo que atirou está em estado de choque. E que apesar da gravidade do ferimento, toda a família está confiante de que a criança irá se recuperar e voltar para casa o mais breve possível. “Ele está transtornado, porque eu liguei pra lá, falaram que ele não come, ele não dorme, só chora, então ele está abalado mesmo. Mas meu coração diz que minha filha vai sair bem dessa. Eu me sinto abatida, eu choro muito quando vejo as fotos dela, mas quando chego lá, parece que Deus me dá aquela coisa dentro de mim que ela vai sair bem.”