Print this page
Quinta, 26 Abril 2018 13:28

Atlético é o Acre no Brasileiro da Série C, mas não conta com o apoio do Governo do Estado

Written by 
Rate this item
(0 votes)

260418-esporte-atleticoacriano-aceaacNo Acre, as falta de apoio só passou a deixar de existir a partir do segundo mandato de Tião Viana

Depois de sete anos, o Acre está de volta ao Campeonato Brasileiro da Série C. O Atlético, de futebol envolvente e dos dribles rápidos do meia Polaco, é hoje nosso maior orgulho futebolístico.

Porém, o time do Segundo Distrito só não conta com a generosa ajuda do governo do Estado. Mesmo patrocínio que estampou a camisa do Rio Branco em 2009 com fartos R$ 2 milhões (segundo fonte da Secretaria Estadual de Esportes).

Naquele ano, o governador petista Binho Marques, assessorado por Aníbal Diniz, investiu milhões para ver o Estrelão ser eliminado da Série C, em plena Arena da Floresta, após empate em 2 a 2 com o Asa (AL).

Realidade bem diferente vive o Galo Carijó. Além da boa vontade do trio Álvaro Migueis (técnico), Elison Azevedo (presidente) e Geison Moraes (diretor financeiro), o clube tem a menor folha salarial da terceira divisão com cerca de R$ 106 mil.

A folha é fechada com a ajuda de alguns poucos patrocinadores e um repasse (valores não divulgados) pela TV Esporte Interativo a equipe alve celeste.

Para piorar, o Atlético tem disparado a pior estrutura entre os concorrentes. Toda semana precisa fazer uma verdadeira peregrinação para conseguir um campo em condições de treino.

Como se não bastasse, o presidente Elison Azevedo alega que o clube levou um calote de R$ 100 mil em 2017 do governo do Estado. O próprio governador Tião Viana teria prometido repassar os valores pelo acesso à Série C.

No entanto, nada foi depositado. Os três diretores tiveram de contrair um empréstimo no mesmo valor para honrar a folha de pagamento dos atletas.

Mesmo sem o apoio do governo petista, o Atlético segue brilhando em rede nacional e exibindo, mesmo que timidamente (nas costas), o slogan do governo do Acre. O que dificilmente seja compensado por essa generosa exposição.

Para os que são contra a ideia de patrocínio estatal devido à crise etc., gostaria de lembrar que no Pará, Amazonas e Rondônia o apoio aos principais clubes profissionais é algo comum. E, no Acre, isso só passou a deixar de existir a partir do segundo mandato de Tião Viana.

Senildo Melo é cronista esportivo. Mantém a coluna Gazeta Esportiva no site AGazeta.Net e o Balanço Esportivo no programa Balanço Geral da TV Gazeta.

Foto: Associação dos Cronistas Esportivos do Acre

Read 769 times Last modified on Sábado, 19 Maio 2018 17:00
Agazeta.Net

Latest from Agazeta.Net