14 Março 2017 Written by 

Custa a aceitar que a Faculdade de Economia da Ufac tenha tirado nota 2 no Enade e nota 3 no CPC. Caso o Conceito Preliminar de Curso piore com duas notas 2, a situação piora "de com força" na Faculdade de Economia.

Caminhando

Acordo para que Alan Rick (PRB) seja o vice de Gladson Cameli (PP), na disputa pelo Governo do Estado em 2018, caminha a passos largos.

Acordo II

Na entrevista coletiva que o ministro Blairo Maggi (Agricultura) concedeu, nesta segunda feira, os dois se posicionaram estrategicamente. Um de cada lado do ministro.

Acordo III

Juntar Alan Rick e Gladson Cameli na mesma chapa é, na avaliação de alguns, analistas a "Salvação da Lavoura". Cameli é imbatível no Juruá. Com Alan, somaria muito no Alto e Baixo Acre. Para Alan, seria a alternativa perfeita frente ao PRB, que pode ter outro ungido para a Câmara dos Deputados em 2018. Portanto, apostem nessa chapa.

Polêmico

Blairo Maggi, o ministro da Agricultura mais polêmico que o país já teve, incorporou a sustentabilidade ao discurso, mas o que brilha ainda é o troféu Motosserra de Ouro, que ele recebeu do Greenpeace por ser o brasileiro que mais desmatou.

Apelo

O que não se pode, é deixar de registrar o forte apelo que qualquer alternativa de desenvolvimento tem, no estado. Apareceu até o prefeito de Boca do Acre- AM na reunião.

Economia

Aproveitando o mote sobre "desenvolvimento", custa a aceitar que a Faculdade de Economia da Ufac tenha tirado nota 2 no Enade e 3 no CPC (Conceito Preliminar de Curso). Caso o CPC tenha duas notas 2 seguidas, a Ufac fica impedida de fazer exame de seleção de novos alunos para a Faculdade de Economia até que as coisas se ajeitem. Drama semelhante viveu a Faculdade de faculdade de Educação Física há dois anos.

Economia II

O fato é que é preciso que a reitoria da Ufac tenha coragem de trazer a público esses problemas, inclusive, com discussões a respeito das causas que levaram o principal celeiro de talentos na área econômica se encontrar nessa situação lamentável. A Faculdade de Economia da Ufac gerou os mais importantes nomes da política local: gestores, parlamentares, prefeitos.

Possível causa

Uma das causas é apontada pelos próprios alunos: falta de comprometimento de muitos professores. Há exceções. Raras, mas há. Mas, no geral, há poucas publicações por parte dos professores, há poucas pesquisas. "Há professores que não dão aula desde o carnaval", reclamam os alunos.

Esperança

Uma esperança que demonstra o potencial da moçada da Economia da Ufac pode ser vista no PET Economia da Ufac: há produção de boletins informativos, com notícias recentes sobre vários segmentos econômicos; há análises dos cenários econômicos regionais e repercussão de muitas medidas do poder público com impacto no bolso de todos. Ou seja, o programa tutorial presta serviço público de qualidade: uma experiência que precisa ser replicada e observada.

Esperança II

Há quem diga que o sistema de trabalho do antigo Departamento de Economia está fazendo falta: a integração entre os professores não existe mais; a relação com os alunos se restringe a leitura de xerox com inconsequentes e estéreis debates em sala de aula. Aliás, é possível dizer que a dinâmica da maior parte das aulas se restringe a leitura de xerox/"debates"/trabalhos em grupo. E ponto. A consequência não poderia ser outra.

Além da Economia

A Faculdade de História, que já foi referência na Região Norte, tirou 2,5 no Enade. É outra faculdade que está procurando o fundo do poço.

Ilhas

Há ilhas de excelência. O mestrado de Linguagens pode ser lembrado, pelo acúmulo teórico que tem feito ao longo dos últimos anos, com publicações importantes no universo acadêmico.

Além da estética

A reitoria precisa ter coragem e desprendimento para se abrir ao debate franco sobre o que, de fato, é importante para a Ufac. Nem só de infraestrutura física vive uma universidade. Esta é mais uma consequência do que as pesquisas e a produção de conhecimento executam. A Ufac tem muita responsabilidade na região para não fomentar debates que realmente interessam.

Fortalecendo...

Enquanto conversa com Alan Rick sobre vice, Gladson Cameli estreita laços com Sérgio Petecão (PSD). Estão juntos para cima e para baixo.

... laços

Voltando à dobradinha Gladson/Alan, a avaliação é que o vice com a desenvoltura adquirida ao longo de anos na TV pode suprir eventuais fragilidades de comunicação do cabeça de chapa.

Real

O medo que o senador Jorge Viana (PT) tem de não se reeleger é bem conhecido de seus amigos íntimos.

Improvável

Que JV perdeu boa parte de sua expressão política é fato. Mas que isso chegue a complicar sua reeleição é pouco provável. Aliás, um experiente político dizia que se Ney Amorim sair candidato ao Senado pelo PDT, a possibilidade que a FPA faça os dois senadores é grande.

Desunidos

JV/Ney Amorim seria o resultado óbvio de uma disputa na qual a oposição disputa os votos entre si. Se a FPA for esperta, investe em Ney Amorim como sua segunda alternativa, no PDT.

Sugestões, críticas e informações O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.



agazeta logotipoAv. Antônio da Rocha Viana, 1.559
Vila Ivonete - Cep. 69.914-610
Rio Branco - Acre
Tel.: (68) 2106-3050
Fax: (68) 2106-3081

Fique Conectado