10 Maio 2018 Written by 

Poucos episódios sugeriram o riso tão escrachado quando esse envolvendo uma “crise institucional” quanto o factoide Juruna x Socorro Neri. É uma polêmica tão oca que faria corar os habitantes de Sucupira.

Bolsa caixão

Deputado Jairo Carvalho (PSD) anunciou que vai apresentar um projeto de lei instituindo o Bolsa Caixão. O parlamentar disse não aguentar mais pagar tanto caixão: “Tão matando tanto (sic), que cada vez que o telefone toca eu já pergunto quanto custa o caixão”.

Cilada

Durante a agenda do “governadorável” Marcus Alexandre (PT) ao Juruá, o governador Tião Viana (PT) viajou para fora do Estado junto com a vice Nazareth Lambert. Tudo aparentemente normal, se o substituto natural não fosse Ney Amorim, pré-candidato do Senado. Para não ter que assumir o governo e ficar inelegível, o presidente da Aleac teve que sair às pressas de Marechal Taumathurgo e rumar para Guajará no Amazonas.

Discórdia

A necessidade de Ney gerou a primeira discórdia. Marcus queria prosseguir com a agenda em busca de votos e retornou a Cruzeiro do Sul. Alexandre disse que não iria contrariar o acordo de realizar a agenda com os dois candidatos ao Senado.

Discórdia II

Aliás, essa viagem evidenciou a intenção de Marcus Alexandre efetivamente “colocar a digital” na sua agenda. Na reunião com a Associação Comercial, causou melindres ao dizer que quem deve tomar a iniciativa de fomentar a economia é o empresariado. Ao Estado cabe rever a carga de impostos e facilitar a ação, mas não usurpá-la. Recebeu aplausos dos comerciantes.

Disfunção

No município de Feijó, administrado pelo prefeito Kiefer (PP), quem entrega os carnês do IPTU, de casa em casa, são os agentes de saúde. Nem a população que sofre com as constantes ondas de malária e verminoses de todo o tipo, nem os agentes aprovaram a nova ordem.

Anunciado

A deputada federal Jéssica Sales (MDB) avisou ao pai dela, Vagner Sales, que vai ajudar o governo de Marcus Alexandre, caso ele seja eleito. O papi olhou para a rebenta, coçou o queixo e apertou ainda mais os pequenos olhos. Mas, não disse nada.

Simpatia

Jéssica Sales, aliás, não esconde de ninguém a simpatia que nutre pelo candidato da FPA. Parece que o ar de bom moço de Marcus Alexandre conquistou a simpatia da adversária.

Sintomático

Pauleira da base de sustentação do governo no candidato da oposição, Gladson Cameli (PP), é sintoma claro que as coisas não estão bem esse mar de rosas para o Marcus Alexandre, como querem fazer crer. A coisa está mais para “Temos uma pesquisa interna e o resultado não é favorável para nós”.

Exageros

Tudo bem defender o governo. Isso é obrigação dos líderes do PT e o do governo. Os exageros é que ficam feio! Daniel Zen afirmar que a população do interior do Estado vem em peso agradecer tudo o que foi feito, só não soa mais estranha que a afirmação de Lourival Marques, que graças ao governo Tião Viana, o produtor rural está ganhando mais que um médico ou um dentista.

Contraria

O movimento dos produtores da Transacreana, que lutam por ramais para escoar a produção e poder implantar o Luz para Todos, por si só, já desmente o discurso dos petistas. Deveriam ter mais cuidado antes de se expor ao ridículo.

Hilariante

Poucos episódios sugeriram o riso tão escrachado quando esse envolvendo uma “crise institucional” quanto o factoide Juruna x Socorro Neri. É uma polêmica tão oca que faria corar os habitantes de Sucupira. E o presidente da Câmara ainda dar um ar de sisudo, como se a honra dos nobres parlamentares tivesse sido atingida. É de lascar! E a cidade é essa que vemos aí.

Calma

Os assessores governamentais quase entram em uma espécie de transe quando um dado sobre as finanças dos estados foi apresentado pela Secretaria do Tesouro Nacional. É preciso ter mais calma com a euforia. Acalmem-se, meninos! Essas informações sobre déficits e superávit, observadas de forma isoladas dizem pouco.

Despesa

Há uma concepção, por exemplo, que observa quanto mais o governo investe menor é o superávit. Do ponto de vista contábil, essa lógica entende o investimento como despesa. Pelo que foi divulgado, o Acre é o que apresenta o 9º maior superávit no país, calculado em R$ 41 milhões.

Comparações

Comparações são sempre injustas e costumam não respeitar a cultura de cada lugar. Mas, já que colocar Acre e Rondônia na rinha já faz parte do folclore político local, lá vai. Na relação da Secretaria do tesouro Nacional, Rondônia está entre os estados com déficit. Isso significa que a economia de Rondônia está mais frágil do que a nossa?

No mínimo

Para que a alegria do Governo tivesse o mínimo de razões para comemorar, seria necessária a relação entre as finanças com o nível de investimento.

Por exemplo

Uma relação. O próprio Governo do Acre dá indicativos de como está a rotina da gestão. Relatório de gestão fiscal e da seguridade social, com recorte temporal de janeiro a dezembro de 2017 serve de exemplo. Ali, o próprio Governo mostra como ele mesmo desrespeita a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Por exemplo II

A Despesa Total com Pessoal (DTP) no período foi de R$ 2.408.736.386,43 (simplificando, R$ 2,4 trilhões). Isso equivale a 53,86% sobre a Receita Corrente Líquida. É um valor que desrespeita a LRF, que limita gasto com pessoal em 49% da receita.

Novos ricos de holerite

A economia do Acre, na verdade, deve passar por um momento de mudança de referenciais. Nunca o debate sobre Desenvolvimento foi tão necessário. A existência de novos ricos de holerite chega a ser uma agressão em um lugar em que a maior parte da população é beneficiária de algum tipo de benefício de programas sociais.

Sugestões, críticas e informações O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.



agazeta logotipoAv. Antônio da Rocha Viana, 1.559
Vila Ivonete - Cep. 69.914-610
Rio Branco - Acre
Tel.: (68) 2106-3050
Fax: (68) 2106-3081

Fique Conectado