12 Julho 2018 Written by 

Fonte ligada à Secretaria de Estado de Fazenda informou que o próximo gestor que assumir o Governo do Acre vai ter que fazer um corte de, no mínimo, 2,5 mil a 2,8 mil cargos comissionados.

Intervenção

O pedido de intervenção militar protocolado pela bancada de oposição na tarde de quarta-feira, incendiou o ambiente político do Acre. E, como sempre, se transformou numa guerra de notas de mau gosto que ninguém lê.

Brasa

Nessa hora em que cada um puxa a brasa para o seu assado, o deputado pastor Jairo Carvalho (PSD) criticou a falta de ação do Governo do Estado para o combate da violência que está afetando as igrejas. Segundo o parlamentar, o medo e a insegurança que não deixam os fiéis irem para a igreja estão diminuindo o pagamento dos dízimos e ofertas.

Consequência

Enquanto o governador Tião Viana (PT) convocava uma entrevista coletiva para falar sobre o pedido de intervenção militar, o senador Sérgio Petecão (PSD) era recebido por populares no aeroporto de Rio Branco. Como herói.

Consequência II

Ao pedir intervenção militar, o grupo de parlamentares que faz oposição ao Governo do Estado pode ter complicado a própria vida política. Com uma vitória do candidato que apoiam, podem adiar a eleição no Acre e o que pode levar ao crescimento do adversário, Marcus Alexandre (PT). Estados sob intervenção militar não realizam eleições. Aí em vez de tirar o PT do governo, vão prolongar o mandato de Tião.

Sobe

Marcio Bittar, candidato ao Senado pelo MDB, que aproveita toda a onda que passa para tentar fazer a candidatura dele decolar, correu gravar um vídeo, apoiando o pedido de intervenção federal no Acre.

Desce

Jorge Viana (PT), candidato à reeleição, perdeu a simpatia do também candidato à reeleição, Sérgio Petecão (PSD), após a discussão no plenário do Senado. JV disse que Petecão tem capangas. Resposta dada à provocação de Petecão que disse que JV só sai em Rio Branco, acompanhado dos seguranças. Antes desse episódio, JV ligava diariamente para Petecão. Forçava a amizade para tentar que Petecão pedisse o segundo voto ao Senado para ele.

Surpresa

Quem achava que a candidatura de Jesus Sérgio (PDT) a deputado federal era delírio do presidente do partido, Luiz Tchê, pode se surpreender. Jesus e Jenilson Lopes (PCdoB), que disputa a reeleição, os dois trabalharam muito no interior e são os preferidos em municípios como Tarauacá, Feijó, Jordão e Santa Rosa do Purus.

Forte

Outro que vem com muita força na disputa para a Câmara dos Deputados é o vereador Raílson Ferreira (PODEMOS). Irmão do deputado estadual Raimundinho da Saúde, Railson entrou na disputa para vereador competindo com figuras tarimbadas e conseguiu ser o mais votado.

O que é o que é?

Na coletiva que foi dada pelos deputados que pediram intervenção militar no Acre, o que ficou claro foi que eles, de fato, não sabem o que vai acontecer. O que foi assegurado é que “ações contundentes” serão feitas. Mas, quais ações são essas e em qual volume não foi detalhado nada.

O que é?

A ignorância sobre as ações é por estratégia? Ou é por que o que Temer fez foi apenas contornar uma situação para amenizar os ânimos de aliados e levar o problema em banho-maria?

Petecão

A fala de Petecão foi contundente pelo que ela não disse: ““O que eles vão fazer... se vai haver intervenção... se vai vir a Força Nacional... ele [ministro Raul Jungmann] nos garantiu que vai fazer um levantamento, seja através da Polícia Federal ou por meio da Polícia Rodoviária Federal... eu não sei qual vai ser o mecanismo até porque não é a minha área, mas ele nos garantiu que iria fazer um levantamento e vão estar aqui (sic) todo o primeiro escalão do governo brasileiro... do Governo Federal... vai estar aqui para unir forças com o Governo do Estado”.

Cortes

Fonte ligada à Secretaria de Estado de Fazenda informou que o próximo gestor que assumir o Governo do Acre vai ter que fazer um corte de, no mínimo, 2,5 mil a 2,8 mil cargos comissionados. Essa situação coloca em xeque todo o espírito pseudo-politizado do acriano. No grande barracão chamado Governo do Estado, alguns se interessam por política por interesse meramente pessoal. Não é a política pela política. É a política enquanto garante o pirão do dia.

Barranco

É o que pode ser chamado de chama de politização de barranco. Basta ver, em pesquisas de opinião divulgadas recentemente, o tanto de pessoas sem o mínimo interesse em quem vai votar para se perceber que essa ideia de que o acriano é politizado não é verdadeira.

Sugestões, críticas e informações O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.



agazeta logotipoAv. Antônio da Rocha Viana, 1.559
Vila Ivonete - Cep. 69.914-610
Rio Branco - Acre
Tel.: (68) 2106-3050
Fax: (68) 2106-3081

Fique Conectado