27 Novembro 2018 Written by 

A recusa de João Pires por sua vez motivou o vice-governador a se recolher e se recusar a indicar qualquer outra pessoa para qualquer cargo. Rocha sabe que a área da Segurança está crítica e que para colocá-la minimamente em ordem.

 

Motivo

 

O real motivo do procurador João Pires não ter aceitado ser o secretário de Segurança Pública no governo Gladson Cameli (PP) foi o fatiamento da secretaria. O que havia sido planejado por ele e pelo vice-governador, Major Rocha, era subordinar todos os órgãos de Segurança ao secretário. Ao nomear por conta própria pessoa para assumir o Detran, Cameli descumpriu o acordo.

 

Motivo II

 

A recusa de João Pires por sua vez motivou o vice-governador a se recolher e se recusar a indicar qualquer outra pessoa para qualquer cargo. Rocha sabe que a área da Segurança está crítica e que para colocá-la minimamente em ordem, necessitaria de autonomia sob pena de sair muito chamuscado da tentativa. Gladson não teve o mesmo entendimento. Por isso, terá que se responsabilizar sozinho.

 

Incluído

 

Vira e mexe o nome do ex-secretário de Segurança e ex-deputado Fernando Melo aparece como uma possibilidade para a Secretaria de Segurança. Fernando Melo trouxe a versão acriana da Polícia da Família. O projeto apresentou bons resultados, por ser uma polícia “diferente”, não punitiva, mais amiga e educativa do que outra coisa. Nas hostes do novo governo, muita gente já está se dobrando à possibilidade.

 

Cautela

 

Indicados para cargos e funções no novo governo temem assumir as indicações e deixam isso para só depois da posse. Eles temem as mudanças de ideias do chefe que, assim como nomeia, “desnomeia” sem nenhum pudor. Ninguém quer ser companheiro de desgraça de Minoru Kinpara, que já havia aceitado a proposta de ser secretário de Educação e já estava montando a equipe, quando foi comunicado que não era mais.

 

No páreo

 

O senador Sérgio Petecão se articula para assumir a presidência do Senado. A campanha pela sucessão do cearense Eunício Oliveira (MDB) está correndo solta e Petecão busca o apoio do MDB que sabe que terá dificuldade para emplacar um terceiro presidente do poder pela terceira vez consecutiva.

 

Tradição

 

É tradição que o presidente do Senado saia de algum Estado com menor tradição política e econômica. Mas também é tradição o MDB ficar com esse cargo. É só lembrar José Sarney, Renan Calheiros e o atual Eunício Oliveira para confirmar a tese.

 

Refém

 

Não adiantaram as orientações gratuitas fornecidas ao governador eleito do Acre, Gladson Cameli, para que se livrasse de algumas figuras políticas. Cameli está caminhando para se tornar refém do MDB.

 

No olho do furacão

 

O governador eleito está no olho do furacão. Está concedendo capitanias hereditárias ao MDB e enfrentando maremotos dentro do partido com essa disputa insana entre os deputados Gehlen Diniz e Nicolau Júnior pela presidência da Assembleia. Justamente dois deputados do partido do governador que deveriam entrar num consenso são os que disputam. Para aumentar a Tensão Pré-Posse, ainda enfrenta um “mal-estar” com o vice, Major Rocha.

 

Se correr

 

Gladson Cameli está naquela zona de desconforto grave em que se apega ao MDB para ter força para vencer o inimigo íntimo. Na verdade está tentando escolher qual o menos mortal dos dois. Se vacilar, o vice rompe com ele e ainda perde o apoio do senador Petecão. Mas a tábua de salvação jogada por Vagner Sales e Flaviano Melo também pode significar naufrágio. Não queiram estar na pele dele.

 

Contradição

 

A vereadora Elian Santana do Solidariedade de Santo André, que foi presa por fraude ao INSS, era conhecida até então, por defender a obrigatoriedade da leitura da Bíblia nas escolas.

 

Era o que faltava

 

Empresa que aluga computadores para o Hospital das Clínicas já oficializou a fundação que administra a unidade: vai recolher as 136 máquinas por falta de pagamento. A empresa possui outras máquinas em secretárias de Estado. Como o contrato também não está sendo honrado, então, “para não acumular mais dívida”, o melhor é efetivar a retirada imediata dos computadores.

 

Sumiu

 

O pior é que pessoas ligadas à administração do Hospital das Clínicas garantem que, para esse tipo de custeio, há recursos. Ocorre que um dos responsáveis pela administração simplesmente sumiu. Ninguém consegue encontrar o rapaz. Enquanto isso, esse tipo de problema vai se acumulando.

 

Dia D

 

Dia 30 de novembro. O Dia D para muita fidelidade do projeto da Frente Popular do Acre.

 

Informe Depasa

 

O Depasa informa à população de Rio Branco que vem enfrentando problemas de abastecimento, principalmente na grande região central da cidade, com redução de abastecimento (principalmente nas ruas mais distantes da fonte de distribuição), devido a problemas com duas bombas na ETA 2 e na Distribuição da Central do Bola Preta.

 

A bomba da Central do Bola Preta foi restaurada e a bomba da ETA 2 tem a previsão de estar restaurada até domingo (2/12). Informamos ainda que vamos paralisar a ETA 2 para limpeza do reservatório, entre as 7 e 12 horas de quarta-feira (28/11).

 

Acerca da eventualidade de chegar água imprópria (suja) em alguma rua ou bairro, deve ser imediatamente informado ao Depasa, para providências (?0800 721-1314?).

 

Sugestões, críticas e informações O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.



agazeta logotipoAv. Antônio da Rocha Viana, 1.559
Vila Ivonete - Cep. 69.914-610
Rio Branco - Acre
Tel.: (68) 2106-3050
Fax: (68) 2106-3081

Fique Conectado