Saúde: álcool entre adolescentes

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou nesta segunda-feira (6), um documento com uma série de recomendações para o estimulo à prevenção ao consumo de álcool entre os mais jovens. O texto, intitulado Guia Prático de Orientação: Bebidas alcoólicas e prejuízos à saúde da criança e do adolescente, tem como público alvo gestores, médicos, pais e educadores e traz alertas sobre os distúrbios causados pelo consumo precoce de bebidas alcoólicas.

“Este é um fenômeno mundial. As mudanças nas relações sociais, o acesso fácil às bebidas e a fragilidade das políticas públicas que se ocupam da questão constroem o cenário ideal para essas distorções que afetam a vida de milhões de pessoas. São crianças e adolescentes e seus familiares que precisam de toda a ajuda possível. Os pediatras esperam que o tema seja colocado em evidência. No debate, a sociedade poderá encontrar uma ou várias respostas”, disse a presidente da SBP, dra Luciana Rodrigues Silva.

O Guia, elaborado pelo Departamento Científico de Adolescência da SBP, será disponibilizado aos médicos e à sociedade. As conclusões serão também encaminhadas aos Ministérios da Saúde, da Justiça, do Desenvolvimento Social, do Esporte e da Educação, na expectativa de estimular a manifestação do Poder Executivo por meio das ações sugeridas. Os deputados e senadores, bem como a Procuradoria Geral da República (PGR) e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) também serão acionados.

A concepção e finalização coube ao grupo formado pela dra Alda Elizabeth Boehler Iglesias Azevedo (presidente); dra Evelyn Eisenstein (secretária); dra Beatriz Bermudez, dra Elizabeth Cordeiro Fernandes, dr Halley Oliveira, dra Lilian Day Hagel, dra Patrícia Regina Guimarães e dra Tamara Goldberg (membros do Comitê Científico); e dra Carmen Lúcia de Almeida Santos, dr Darlan Correa Dias, dr João Paulo Lotufo e dra Monica Borile (colaboradores).

RECOMENDAÇÕES - Entre as recomendações da SBP aos gestores, constam a adoção de medidas para proibir a efetiva venda de qualquer bebida alcoólica, para crianças e adolescentes; a criação de restrições ao marketing das bebidas alcoólica, inclusive da cerveja; a implementação com urgência das políticas de regulação da propaganda, independente das indústrias e pontos comerciais das bebidas alcoólicas; e a proibição ao patrocínio e venda em atividades e eventos culturais, esportivos e artísticos que envolvam a participação de crianças e adolescentes.

Aos médicos, o texto sugere que abordem o tema durante a consulta, introduzindo a questão do uso de quaisquer drogas e álcool na rotina de atendimento às famílias, como uma oportunidade de estimular o diálogo e a orientação sobre a prevenção dos riscos. Também se pede que expliquem aos pacientes e familiares as possíveis consequências do uso e da mistura do teor/quantidade/qualidade das bebidas alcoólicas, além de esclarecer à sociedade sobre os mitos e mensagens distorcidas de marketing, que envolvem o uso das drogas e do álcool em diferentes contextos sociais e sua relação com violência, mortes precoces e doenças.

Já para os pais e educadores é sugerido evitar o consumo de bebidas alcoólicas durante todo o período da gestação e amamentação; alertar sobre as consequências do uso precoce do álcool e de outras drogas legais e ilegais no corpo humano, especialmente durante as fases de crescimento e desenvolvimento cerebral das crianças e adolescentes; evitar a glamorização das “bebedeiras” nas festas de família e a noção de que “beber cedo é motivo de orgulho” para os pais, que é a distorção do modelo referencial sobre as culturas das famílias.

Esse grupo é ainda chamado a proibir a oferta e o consumo de bebidas alcoólicas em festas de aniversário e outras celebrações que tenham a participação de crianças e adolescentes. A publicação destaca ainda a importância de reforçar o papel dos pais e as regras de convívio familiar.