Sombreamento natural desenvolve abelhas

Abelhas precisam de sombra e água fresca. Estudo conduzido pela pesquisadora Maria Teresa Rêgo, da Embrapa Meio-Norte (PI), revelou que o sombreamento das colmeias e a presença de água nas proximidades favorecem o desenvolvimento das colônias e a qualidade do mel. Um dos resultados mais expressivos dessa pesquisa mostrou que o sombreamento natural, com árvores, ajudou na ampliação rápida da área de cria. 

Essa área corresponde ao favo, no qual as crias se desenvolvem. A melhor faixa de temperatura para o desenvolvimento delas é entre 30 e 35 graus Celsius.

“Em uma colônia, as operárias trabalham para manter essa faixa de temperatura ideal às crias, seja aquecendo o ninho, quando ocorrem temperaturas baixas, seja resfriando, no caso de temperaturas elevadas”, explica a cientista. Segundo ela, quanto mais a colônia de abelhas estiver exposta a temperaturas que se distanciam dessa faixa, maior será o trabalho das operárias para manter um clima ideal e estabelecer a termorregulação. O trabalho das operárias no aquecimento ou resfriamento do ninho afeta o desenvolvimento das colônias.

Árvores favorecem o conforto térmico

No experimento, essa área foi mensurada periodicamente por meio de mapeamento dos favos, em colônias expostas a diferentes condições: totalmente ao sol, sob coberturas construídas com palha de babaçu, coberturas de tela sombrite e com a sombra de árvores. O mapeamento registrava as áreas dos favos contendo alimento, mel e pólen, e as crias. As temperaturas internas e externas às colmeias eram registradas semanalmente. Com isso, ficou constatado que o microclima sob a copa das árvores foi beneficiado por uma melhor ventilação, favorecendo o conforto térmico.

Outro resultado importante do trabalho veio da análise da qualidade do mel coletado das colmeias submetidas a essas diferentes condições. Foram feitas análises físico-químicas quanto ao teor de Hidroximetilfurfural (HMF), atividade diastásica e acidez. Todas as análises foram feitas no Laboratório de Controle da Qualidade de produtos Apícolas da Embrapa Meio-Norte, em Teresina.

A pesquisa revelou também outro dado animador. As coberturas construídas com palhas e o sombreamento de árvores favorecem a manutenção de níveis mais baixos de HMF no mel. O HMF é uma molécula que nasce da transformação dos monossacarídeos frutose e glicose. Quanto mais calor, segundo os testes, é mais rápida a conversão dela. Por causa dessa característica, a molécula passou a ser usada como indicador de aquecimento, processamento inadequado e até de adulterações no mel.

A cientista diz que, em mel produzido recentemente, a quantidade de HMF é mínima. Mas com o aquecimento e o tempo de armazenamento do produto, a quantidade da molécula tende a aumentar, comprometendo a qualidade e a aceitação do mel no mercado. Pela legislação brasileira estabelecida na Instrução Normativa número 11, de 2000, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a presença do HMF no mel não pode ser superior a 60 miligramas por quilo.

Calor é desafio para o apicultor

No Nordeste brasileiro, região de clima quente durante quase todo o ano, as altas temperaturas são as grandes adversárias dos apicultores. O intenso calor, no período mais seco, entre os meses de setembro a dezembro, chega a provocar a perda de colônias. As condições ambientais na estiagem não oferecem floradas e empurram as abelhas para um lugar incerto. “Esse é um dos fatores que contribui para a perda das colônias”, aponta a cientista.

Ela recomenda que a instalação das colmeias deve ser sempre à sombra, de forma a evitar o efeito negativo das altas temperaturas sobre o desenvolvimento das colônias e sobre a qualidade do mel, além de proporcionar maior conforto ao apicultor durante o manejo. Outro estudo da cientista aponta para a escolha de árvores que dão um bom nível de sombreamento e que não perdem muitas folhas durante todo o ano. Um exemplo é o cajueiro (Annacardium occidentale).

Água limpa até 500 m de distância

Água limpa e disponível durante todo o ano, segundo a pesquisadora, também é essencial para o bom desempenho das colônias. “As abelhas precisam de água para o seu metabolismo e para regular a temperatura dentro da colmeia, especialmente em regiões de clima quente”, diz a especialista. Quando a temperatura do ninho ultrapassa os 36 graus, as abelhas operárias entram em ação abanando freneticamente as asas e evaporando a água sobre os alvéolos ou pela exposição do líquido na língua.

Pela importância desse recurso natural, Maria Teresa Rêgo recomenda que a distância da fonte de água ao apiário não deve ser superior a 500 metros. “Assim, evita-se gasto energético das abelhas na coleta de água”, esclarece. Ela recomenda também a instalação de bebedouros permanentes, limpos e abastecidos, caso o local não tenha uma fonte de água natural. “É importante que a água seja de boa qualidade, limpa e isenta de contaminações por bactérias, fungos ou protozoários”, ressalta.

A pesquisa foi desenvolvida no município de Castelo do Piauí, a 184 quilômetros ao norte de Teresina, durante as estações chuvosa e seca. Lá, a vegetação é de transição entre Cerrado e Caatinga. O clima é subúmido seco, com déficit hídrico moderado e precipitação anual aproximada de 1.035 milímetros. Vinte e quatro colônias de abelhas Apis mellifera africanizadas foram instaladas em colmeias modelo Langstroth. Rainhas novas, produzidas no apiário experimental da Embrapa, em Teresina, foram introduzidas no experimento. A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) custeou o trabalho.

Nessa mesma linha de pesquisa, o professor Laurielson Chaves Alencar, da Universidade Federal do Piauí (UFPI), também observou o efeito de temperaturas elevadas na qualidade do mel. Em um experimento conduzido no município de Simplício Mendes, no coração do semiárido piauiense, ele avaliou colmeias instaladas a céu aberto e outras protegidas por sombreamentos naturais e artificiais, como o sombrite, com telas. “Os teores de HMF mais elevados podem ser explicados, em parte, pelo fato de as colmeias desse experimento estarem expostas por um maior período do dia à incidência direta do sol”, concluiu.

Calor pode provocar abandono da colmeia

A busca por um cenário ideal à vida das abelhas em regiões quentes levou também a Universidade Estadual do Piauí (Uespi) a monitorar o comportamento delas nas colmeias de acordo com o clima e a época do ano. Entre 2013 e 2014, um equipamento permitiu que cientistas da Embrapa, professores e estudantes de graduação e pós-graduação monitorassem as condições de temperatura que os insetos enfrentam e que influem no comportamento deles e na produção de mel.

Os resultados, apresentados pelo professor da Uespi Carlos Giovanni Nunes de Carvalho, mostraram que as altas temperaturas, associadas à baixa umidade do ar, realmente comprometem a produtividade de mel, matam e contribuem para a má-formação das crias. Em alguns casos, levam as abelhas a abandonar as colmeias.

Foram registradas fora do equipamento temperaturas máximas que variavam de 32 a 41 graus Celsius. Quando as temperaturas atingiam até 36 graus, as abelhas conseguiam regular a temperatura interna da colmeia. Contudo, acima de 39 graus, segundo os cientistas, facilmente as abelhas desistem da homeostase, que é o processo pelo qual um organismo mantém as condições internas necessárias à vida. Entre três e quatro dias sob forte e calor, os animais abandonam a colmeia.

Os experimentos, conduzidos sempre em períodos de 40 dias, comprovaram que a temperatura ideal interna em uma colmeia em regiões quentes deve variar de 33 a 36 graus Celsius. O equipamento, com o alerta de aquecimento, foi instalado em um apiário em mata fechada, a 210 metros de distância da sede da Embrapa Meio-Norte, na zona norte de Teresina, e monitorou cerca de 30 mil abelhas.

Um medidor foi desenvolvido para a pesquisa

Esse equipamento, ainda sem nome, é um dispositivo de monitoramento formado por sensores de temperatura, baterias, rádio de comunicação, um cartão de memória e um fio conectado à colmeia. O tráfego de informações obedece a um rito simples: os dados são coletados na colmeia, em meio à vegetação; em seguida, repassados via rádio para uma central instalada na Embrapa Meio-Norte e conectada à internet. De lá, as informações ficaram armazenadas em um site que funcionou como um banco de dados.

A construção do dispositivo, estruturado numa caixa plástica, que mede 11 centímetros de largura por 16 centímetros de comprimento, teve um custo estimado de apenas R$ 200,00. A ideia do professor Carvalho, que coordenou o projeto, era substituir o manejo executado pelos pesquisadores, como a instalação manual de termômetros nas colmeias, para que eles pudessem acompanhar o nível de estresse das abelhas sem riscos de acidente.

  • Escrito por Fernando Sinimbum (Embrapa Meio-Norte)

Homem mata esposa e comete suicídio

Leia mais...

  • Escrito por Márcio Souza

Dicionário de Segurança no Trabalho é lançado

Na ocasião que esteve em Porto Velho, o médico e professor de Saúde e Medicina do Trabalho, René Mendes, fez o lançamento da sua mais nova obra literária intitulada "Dicionário de Saúde e Segurança do Trabalhador".

Em entrevista ao Justiça & Cidadania, Mendes falou sobre o Dicionário e abordou aspectos relacionados ao tema do livro.

Sobre a obra literária, Mendes falou que trata-se de uma obra coletiva, totalmente inédita e inovadora, que reúne 522 autores, de outros países da América Latina e de outros continentes, que escreveram 1.236 temas (verbetes), em ordem alfabética, cuja forma impressa tem 1.280 páginas.

A obra enfoca as grandes questões das relações entre o Trabalho e a Saúde, atualmente marcadas por uma deterioração dos ambientes e condições de trabalho e pela complexidade dos impactos sobre a saúde dos trabalhadores e trabalhadoras, sobre a sociedade e sobre o meio ambiente.

O programa exibe ainda, uma reportagem sobre os 45 anos de atuação da Justiça do Trabalho nos estados de Rondônia e Acre, que foi celebrado com uma exposição histórica aberta ao público durante todo o mês de junho, em Porto Velho e Rio Branco.

O Justiça & Cidadania é produzido pela Secretaria de Comunicação Social e Eventos Institucionais do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região. Veiculado pela TV Justiça, aos sábados às 6h30min, domingo 6h30min, segunda às 6h e quarta-feira 6h (horário de Brasília); pela TV Rio Branco (SBT - Acre), segunda-feira às 10h e no Canal Amazonsat o programa é exibido aos domingos 4h30min, terça-feira às 5h30min, quarta-feira às 13h30min, quinta-feira às 23h10min e sexta-feira às 9h05min e no portal rondoniaovivo.tv.

Silvana é juíza auxiliar da presidência do TJRO e coordenadora do projeto "Reordenando o Caminho ¿ Constelar e Mediar" que tem como objetivo resolver processos selecionados nas Varas de Família, com o auxílio da Constelação Familiar, uma prática criada por Bert Herllinger, psicoterapeuta alemão que reconheceu, em seus estudos, as leis universais que atuam sobre todos os relacionamentos humanos. As descobertas de Herllinger permitem que as pessoas compreendam os princípios morais e pessoais e repensem suas relações a partir de uma postura que busque a resolução dos conflitos.

  • Escrito por Reprodução

Ufac sedia 3º Fórum sobre Drogas

Leia mais...

  • Escrito por Juliana Alves, estagiária Ascom/Ufac; acadêmica do 6º período de Jornalismo

CRA/AC detalha processo da eleição de outubro

Leia mais...

  • Escrito por Da Redação (Foto: Reprodução)

Bope prende homem com arma e drogas

Leia mais...

  • Escrito por Clériston Amorim

agazeta logotipoAv. Antônio da Rocha Viana, 1.559
Vila Ivonete - Cep. 69.914-610
Rio Branco - Acre
Tel.: (68) 2106-3050
Fax: (68) 2106-3081

Fique Conectado