Política

Sinteac de Brasiléia ameaça barrar início do ano letivo 2020

Presidente do sindicato fala em endurecer medidas contra a prefeitura

Na próxima segunda-feira (16), o SINTEAC de Brasiléia fará uma assembleia com os professores da rede municipal para discutir sobre a falta de devolutiva da prefeitura em relação ao Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração – PCCR da categoria.

O Presidente da entidade, José Almeida Silva, fala em endurecer as medidas contra a prefeitura, caso até final do ano não saia uma definição favorável da pauta da categoria. “Vamos continuar o diálogo com a equipe técnica, mas não vamos aceitar a forma como nossos professores vêm sendo tratado. Se possível colocaremos em pauta a possibilidade de não começarmos o ano letivo em 2020 até que a prefeita Fernanda Hassem (PT) abra uma negociação justa para todos,” explicou.

De acordo com Silva, das 5 propostas que o Sindicato defende junto ao Poder Executivo, duas tem travado as negociações - Manutenção das progressões automáticas de 10% a cada três anos e a garantia do pagamento proporcional do Piso Salarial Nacional do Magistério conforme estabelece a lei 11.738. “Este último tramita na Justiça do Trabalho, já que não havia interesse da prefeitura de assegurar esse direito, ” ressaltou.