Somebody feed Phil

Imagine ser pago para viajar ao redor do mundo experimentando comidas típicas, diferentes, chegando aos restaurantes mais renomados? É isso que vemos em Somebody feed Phil. O emprego dos sonhos de muitos, inclusive o meu… A junção poderosa de viagem e gastronomia, com um personagem carismático e gentil, arrisco dizer que é o “segredo” da série.

“Phil Rosenthal está com fome. Com MUITA fome. Viaje pelo mundo com Phil Rosenthal, enquanto ele explora países nos cinco continentes e faz novas conexões através da comida”. Essa é a descrição da série documentário “Somebody Feed Phil”, disponível na Netflix.

“Somebody Feed Phil” é produzido por Lucky Bastards e Zero Point Zero Production, Inc. A série recebeu duas indicações ao Emmy e duas indicações ao Critics Choice Real TV Award de Melhor Programa de Viagem/Aventura, vencendo a categoria em 2020.

Nessa série, original Netflix, composta de cinco temporadas com cinco episódios, e com duração de cerca de 50 minutos cada episódio, nós temos Phillip viajando por diversas cidades conhecidas, ou não, por sua gastronomia.

O foco principal dele é em apresentar o que se come nos lugares, desde feiras, mercados, bares, bodegas, até restaurantes com estrela Michelin. Nessas circunstâncias, Phil aproveita para mostrar a cidade, as pessoas, os pontos turistícos, as artes e as amizades que consegue fazer ao longo da visita.

Phil come rosquinhas em Nova York

Passamos a maior parte do tempo com água na boca.

Cada episódio é previamente programado. Uma equipe pesquisa e explora a cidade antes do Phil chegar para gravar. Dessa forma é criado um roteiro de locais a serem visitados e pessoas que ele deve encontrar. Porém, é comum vermos Phil falando que vai apresentar um local que ele descobriu por acaso durante a folga da equipe dele, ou alguma das pessoas que ele encontra acaba fugindo do roteiro e passando em locais novos.

Uma observação que acho pertinente. Durante as gravações da quarta temporada surgiu a pandamia da covid-19. Dessa forma, só dois episódios foram gravados fora dos Estados Unidos, no Rio de Janeiro e em Singapura. A quinta temporada também ocorreu durante a pandemia, e por isso, temos dois episódios em cidades estadunidenses.

Entre os meus episódios favoritos, destaco: o de Buenos Aires, o de Lisboa, o de Veneza, o de Marraquexe e o do Rio de Janeiro. São episódios divertidíssimos, com comidas que dão água na boca, pessoas super acolhedoras e culturas encantadoras. Fica de sugestão para quem não quer maratonar tudo, assistir pelo menos um desses que citei.

Abaixo, deixo todas as temporadas disponíveis e todos os seus episódios com as respectivas cidades.

Phil na Confeitaria Colombro, no Rio de Janeiro, Brasil – primeiro episódio da quarta temporada

Primeira temporada

  • Bangkok – Tailândia
  • Saigon – Vietnã
  • Tel Aviv – Israel
  • Lisboa – Portugal
  • New Orleans – USA
  • Cidade do México – México

Segunda temporada

  • Veneza – Itália
  • Dublin – Irlanda
  • Buenos Aires – Argentina
  • Copenhague – Dinamarca
  • Cidade do Cabo – Africa do Sul
  • Nova York – USA

Terceira temporada

  • Marraquexe – Marrocos
  • Chicago – USA
  • Londres – Reino Unido
  • Seul – Coreia do Sul
  • Montreal – Canadá

Quarta temporada

  • Rio de Janeiro – Brasil
  • San Francisco – USA
  • Singapura – Singapura
  • O Delta do Mississippi – USA
  • Havaí – USA

Quinta-temporada

  • Oaxaca – México
  • Maine – USA
  • Helsinque – Finlândia
  • Portland – USA
  • Madri – Espanha

Vocês podem mandar críticas, sugestões e mensagens pelo e-mail freitas.pamelarocha@gmail.com

Pâmela Freitas é jornalista formada pela Ufac, pós-graduada em Jornalismo Digital pela Unyleya e repórter no site Agazeta.net

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*