Velozes e Furiosos 9 – Ousado e diferente

O primeiro filme da mundialmente conhecida franquia “Velozes e Furiosos” foi exibido pela primeira vez nos cinemas em 2001 e em julho de 2021, após 20 anos, estreou o novo “Velozes e Furiosos 9”. E é claro que a equipe da coluna “Os Estagiários” já assistiu e vai passar uma crítica a respeito do filme.

O longa dá espaço para o retorno do diretor Justin Lin, o qual ficou fora da direção da franquia desde o volume 6 e também traz de volta vários personagens que marcaram os filmes dentro desses 20 anos, inclusive, um dos personagens que supostamente tinha falecido em filmes anteriores, volta para o convívio da família Toretto.

O filme mescla o passado do protagonista Dominic Toretto (Vin Diesel), com eventos que se passam na atualidade. Podemos acompanhar um pouco da origem e da família “original” do protagonista. Nesses momentos, somos apresentados ao irmão mais novo, Jakob Toretto (John Cena), que, após algumas desavenças com a família, decide seguir a carreira de espião. Já na atualidade, Jakob se une com um milionário e, juntos, tentam colocar em prática um plano maléfico que acaba envolvendo a família Toretto.

Já vou iniciando essa parte de críticas dizendo que Velozes e Furiosos 9 é aquele conhecido filme pipoca, feito para você assistir sem esperar uma profundidade na realidade e nem na história, e para isso o filme cumpre muito bem a proposta. As cenas de ação são absurdas, mas muito bem feitas.

Uma coisa que achei interessante é que, ao que parece, o diretor que já foi cotado para dirigir o próximo filme juntamente com o elenco principal aceitou a mudança sofrida na franquia, era nítido que os filmes ultrapassaram a atmosfera de apenas corridas clandestinas e roubos, mas, ao meu ver, os diretores e atores ainda tentavam se apegar a esse tema, gerando alguns roteiros bem fracos como o 6 e o 7.

Apesar dessa repaginada na franquia, o filme ainda possui elementos muito absurdos, o que para alguns pode ser extremo demais, mas para outros pode ser divertido. Fico bem divido nessa questão, já que eu era apaixonado desde criança pelos elementos mais simplistas das corridas que encontramos nos clássicos, entretanto, também sou um bom apreciador do exagero.

Fica aí a recomendação de filme para ser aproveitado na reabertura dos cinemas. Curtiu a indicação de série? Se for assistir, poste uma foto e marque o nosso instagram @ agazeta.netac.

Samuel Cruz é estudante de jornalismo e estagiário na TV Gazeta.

Deixe uma resposta