A avaliação de muitos tucanos é de que a situação do ex-presidente Aécio Neves não lhe referenda ficar no comando do partido. O risco é de haver ainda mais racha no ninho tucano.

Duvera

Apesar das negativas, a relação entre o prefeito Mazinho Serafim (PMDB de Sena Madureira), e a presidente do PTB, Charlene Lima, estão estremecidas, sim. Charlene quer apoio para a candidata dela à Câmara dos Deputados e Mazinho tem compromisso com Flaviano Melo (PMDB).

Duvera II

Charlene Lima está preparando a conta da eleição municipal, quando foi fundamental para a vitória de Mazinho na zona rural de Sena. A conta vem em forma de apoio à eleição dela (também), para deputada estadual. Mazinho fechou com a reeleição de Gehlen Diniz. Alguém não vai receber.

Constrangimento?

E a empresária anda em alta pelas bandas do Yaco. Chegam a ser constrangedoras algumas situações. Quando Mazinha andava com Charlene houve episódios em que populares faziam o cumprimento à dupla e, na sequência, abarcavam: “Prefeito, votei no senhor por causa dela!”. Era um constrangimento com sabor de vitória para Charlene, que sorria com o canto de boca.

Cara dura

O presidente do Senado, Eunício de Oliveira, dono de empresas de terceirização nas áreas de limpeza e vigilância, está pressionando o presidente Temer para criar uma regra para restringir o número desse tipo de empresa no país. Quer ficar com o bolo sozinho!

Calado

O deputado Jonas Lima (PT) vai ter que se manter calado, nos debates entre situação e oposição, sobre a BR-364. A empresa do parlamentar venceu a licitação e vai fazer a obra entre Rio Branco e Bujari.

Marcio fora

Decisão da presidência nacional do PSDB de reintegrar o deputado Major Rocha na presidência da executiva estadual do partido abre a porta da rua para o ex-deputado Marcio Bittar. Esse foi o típico: “armou e se deu mal”!

Aécio fora

A presidência interina do PSDB ainda está com o senador Tasso Jereissati. E assim deve ficar. A avaliação de muitos tucanos é de que a situação do ex-presidente Aécio Neves não lhe referenda ficar no comando do partido. O risco é de haver ainda mais racha no ninho tucano, caso o político mineiro reassuma o cargo da sigla.

Para Rocha…

Para o deputado Wherles Rocha (PSDB/AC) essa discussão é debate de sexo dos anjos. Ele quer é que a situação seja normalizada efetivamente. Quer é tocar os contatos para a campanha ao Senado, contra as reformas de Temer e… “simbora!”

Romualdo, dentro

O caminho do prefeito do Bujari, Romualdo Araújo (PCdoB), é mesmo o DEM. Discípulo do deputado federal Alan Rick, Romualdo segue o mestre, para onde ele for.

Revival

O PT ressuscitou providencialmente a luta de Chico Mendes. No momento de maior desgaste do partido, eis que entram na Assembleia Legislativa figuras como Raimundo Barros, primo de Chico, e outras figuras que nem se sabia mais que existiam. Todas prontas a relembrar os conflitos de terra em Xapuri.

Revival II

Cada movimento da comitiva foi sendo registrado por câmeras fotográficas e de tevês de uma equipe respeitável em número, que os acompanhava. Em foco, os personagens históricos voltando à cena. Apesar de mais gordos e com cabelos brancos, com importância redescoberta nesse período pré-eleitoral.

Revival III

E, não venham com mimimi. Porque a reintegração de posse data de 2013 e os fantasmas só apareceram agora.

Organização

Deputado Gehlen Diniz, indignado com a escalada da violência, reclamou da forma como o Governo do Estado trata a questão: apenas números numa estatística distorcida. Segundo ele, o governo nega haver crime organizado no Acre, ao mesmo tempo em que atua como uma administração desorganizada.

Equívoco

Mas, essa afirmação do parlamentar de que o Governo nega que tenham facções no Acre não procede. O Governo sempre assumiu que as facções existem e atuam. A negativa do Governo está relacionada a um determinado grupo criminoso: o Família do Norte. Não por acaso, o que promoveu chacinas em presídios no Amazonas.

Mas…

Mas, é uma negativa que tem algum fundamento. A polícia tem indícios de que a FDN já esteja atuando por aqui: querem dominar o tráfico de cocaína nos rios (via fluvial). E, nessa lógica, o Vale do Juruá é estratégico. Mas, são “indícios”.

Sugestões, críticas e informações quentinhasdaredacao@gmail.com

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*