A base de sustentação do governo agiu de forma coesa nessa convocação do secretário de Saúde. Do ponto de vista político, foi perfeita. Reuniram-se, debateram e chegaram ao consenso. A oposição, ao contrário. Não se reuniu, não criou estratégia.

Malandro

O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Daniel Zen, tem competência, argumentos etc e tal. O problema dele é que, de vez em quando, baixa o espírito do malandro e vai tudo por água abaixo.

Malandro II

A sessão desta quarta feira foi um exemplo disso. No meio do discurso, Zen desandou a falar igual a malandro de morro de filme da década de 1950. Só faltou o tradicional “E aí, merrmão?”.

Coesa

Fato é que a base de sustentação do governo agiu de forma coesa nessa convocação do secretário de Saúde. Do ponto de vista político, foi perfeita. Reuniram-se, debateram e chegaram ao consenso. A oposição, ao contrário. Não se reuniu, não criou estratégia.

Diferença

É evidente a diferença entre a base governista e a oposição. Os governistas decoram o texto; a oposição improvisa. São os profissionais contra os amadores.

Apoio

É sabido que o deputado Ney Amorim é quase um senhor feudal na Assembleia Legislativa. Com mão de ferro, ele solta ou segura. É o maestro que faz os outros deputados dançarem conforme a música dele. Portanto não dá nem para imaginar que ele não tenha apoio da maioria para qualquer voo que ouse. Inclusive de deputados da oposição.

Ação direta

Mas, nos bastidores, muita gente acha que Ney não disputará uma vaga para o Senado e acabará saindo para deputado federal. Porque, ao contrário dos adversários, não sai de dentro do gabinete, enquanto Sérgio Petecão (PSD) e Jorge Viana (PT) estão direto no interior do estado.

Fiscalização

Essa situação envolvendo a comunidade do Calafate acabou expondo uma falha da gestão pública. Ninguém deve responsabilizar o Governo do Acre pela situação financeira das empresas que fazem obras. Se uma empresa que venceu uma licitação correta vai à falência, o Governo não é culpado. Mas, a fiscalização da obra, é, sim, da alçada do poder público.

Fiscalização II

Uma empresa não entra em falência da noite para o dia. Há um processo a ser respeitado. E, nesse processo, como vai o cronograma das obras? Está dentro do programado? Se a lógica da gestão é pagar as empresas a cada etapa da execução, estava tudo como planejado? Se estava, por que a comunidade reclama?

Taquari

Assim como foi feito em Sena Madureira, está faltando o quê para o Governo intervir no bairro Taquari, na periferia de Rio Branco? E quando se fala em “intervenção” não é apenas com policial, não! É com polícia e serviços públicos.

Sugestões, críticas e informações quentinhasdaredacao@gmail.com

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*