Essa semana é uma semana muito importante para a pecuária regional. Está no Acre uma equipe de auditores do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento para avaliar a aplicação da política pública na questão sanitária do plantel acriano.

Malandragem parlamentar

Tudo bem que houve uma certa “malandragem” por parte do deputado Gehlen Diniz (PP) no que diz respeito ao projeto que muda a remuneração de plantões de profissionais da Saúde. Mas, que a liderança do governo na casa cochilou no ponto, cochilou.

Não adianta

E não adianta cobrar dos atuais parlamentares a leitura e análise integrais dos projetos antes de votarem. Vota-se muita coisa sem saber os detalhes. O Governo bem sabe disso: já se aprovou cada coisa na Aleac “no atacado”… quando menos se percebia, até os deputados de oposição eram surpreendidos com algo que tinham referendado sem saber. Mas, a aprovação já tinha sido formalizada.

Veneno

Agora, o Governo lambeu o frasco do veneno.

Semana D

Essa semana é uma semana muito importante para a pecuária regional. Está no Acre uma equipe de auditores do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento para avaliar a aplicação da política pública na questão sanitária do plantel acriano. Após visita em vários estados, os auditores devem elaborar um mapa com nova classificação. É possível que o Acre conquiste a condição de “área livre de aftosa sem vacinação”, um grau de excelência na sanidade das atuais 3 milhões de cabeças de gado.

Macaxeira

Outra questão que tem chamado atenção na economia regional é o aumento da demanda em relação à macaxeira. A maior rede de supermercados do Acre elevou a procura em 200% (de macaxeira e derivados), sem contar a comercialização da fécula (goma) vinda do Paraná (cerca de 20 toneladas por mês). A fécula é usada na confecção de vários alimentos.

Iniciativa

A iniciativa privada do Acre está sem R$ 10 milhões para investir em uma unidade industrial de produção de fécula. O governo já fez tudo: projeto, plano de negócio, escolha do local… só falta o dinheiro. Quem se aventura?

Detalhes

Um dirigente tucano garantiu, em tom celebração, que a decisão de o PSDB sair do debate sobre vice-governança “foi do colegiado”. Essa declaração guarda um detalhe precioso: antes de denunciar o contexto centralizador em que o ninho tucano vive, expõe, antes, que a forma como Gladson Cameli tem conduzido o processo político está construindo consensos que podem ser caros no ano que vem.

Colegiado

De certa forma, o colegiado ter decidido pela saída do debate sobre vice, mostra algum descontentamento a respeito de acordos não cumpridos. “Não somos nós que temos que empurrar ladeira abaixo. Ele mesmo se empurra”, disse o dirigente tucano a respeito de Cameli.

Sugestões, críticas e informações quentinhasdaredacao2@gmail.com

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*