Sexualidade em Pauta

8 mitos mais comuns sobre sexualidade

A sexualidade até hoje é um assunto permeado por muitos tabus. Por esse motivo, muitos mitos foram passados como verdades por várias gerações e alguns deles persistem até hoje, interferindo na qualidade da vida sexual das pessoas. Pensando nisso, resolvi trazer alguns dos 8 mitos mais comuns.

  1. Masturbação causa espinhas e pelos nas mãos. Apesar de ser uma crença antiga, essa informação não é verdadeira. A acne, crescimento de pelos e a masturbação foram associados porque ocorrem todas na mesma época: na adolescência.
  2. A mulher tem menos desejo sexual do que o homem. Essa afirmação também é falsa. A mulher é capaz de ter tanto desejo sexual quanto qualquer homem. O que ocorre é que na verdade, historicamente as mulheres vêm sendo reprimidas nas mais diversas culturas, refletindo na forma como agem e são vistas até hoje.
  3. A primeira vez sempre dói e causa sangramento. Normalmente por ser a primeira vez, na maioria dos casos, a mulher está tensa. Gerando assim uma contração vaginal, uma não lubrificação, consequentemente um desconforto, podendo causar microfissuras que podem causar sangramentos ou não. Além disso, o sangramento pode se dar também graças ao rompimento do hímen, o que nem sempre acontece.
  4. Só é sexo se houver penetração. Assumir que a penetração é o que define o sexo é ter uma visão fálica sobre ele, ignorando todas as outras práticas sexuais que também levam ao orgasmo, como a masturbação, sexo oral, carícias, toques em áreas erógenas e etc.
  5. Não é necessário usar camisinha no sexo oral. Diversas DSTs podem ser transmitidas assim. Quando há contato entre duas mucosas existe o risco de contaminação, a pele da boca também é uma mucosa. A única forma de evitar o risco é utilizar camisinha inclusive nas preliminares.
  6. Gozar fora evita gravidez. Existem muitas chances do “coito interrompido” dar errado. O problema é que a maioria não consegue interromper antes de um pouco de esperma já ter saído, além disso, o líquido lubrificante que sai antes já pode conter espermatozoides.
  7. Engolir esperma faz mal. O esperma é formado de células, frutose e outras substâncias, então não trazem problemas (ou benefícios) caso seja engolido, porém a ingestão pode ser prejudicial caso o parceiro esteja com alguma infecção genital.
  8. Sexo na gravidez é contraindicado. Se não for uma gravidez de risco ou houver alguma contraindicação médica, não há problema. Não há como machucar a criança durante o sexo a não ser com um trauma abdominal. É necessário, claro, tomar os devidos cuidados.

Esse e outros assuntos são trazidos ao consultório diariamente. Tirar essas dúvidas funciona inclusive como intervenção. Essa psicoeducação, essa educação sexual feita junto ao paciente é de suma importância para lidar com muitas das queixas.

A melhor forma de tirar o peso desse tema é falando sobre. É importante que a sexualidade seja naturalizada até como forma de prevenção para futuros adoecimentos.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*