Notas sobre o luto

Olá, leitores desta coluna. Depois de um sumiço de quase um mês… Ufa! Estou de volta. Fim de ano é sempre uma correria por aqui, precisei desse tempo pra me organizar um pouco. Consegui? Não muito, mas já está melhor que antes…

Enfim! Desejo um 2022 de muitas realizações e felicidades pra vocês, e muitos Livros e Leituras também.

Vamos ao que de fato importa…

Chimamanda Ngozi Adichie presente mais uma vez nessa coluna. E podem ter certeza que essa não será a última vez. Pelo título do livro podemos imaginar do que se trata…

Sempre me sinto tocada pelas obras da Chimamanda, que julgo ser minha escritora preferida, inclusive. Mas Notas sobre o luto me tocou de uma forma diferente, talvez não saiba nem explicar, nunca passei pelo luto. Ninguém próximo a mim ou que tenho muito apego morreu. Mas, arrisco dizer que a escritora nigeriana traduziu a experiência e o sentimento de maneira precisa e poderosa.

A obra foi escrita após a morte de James Nwoye Adichie, pai da autora, em junho de 2020, durante a pandemia do novo coronavírus. O livro junta a própria experiência com a morte de seu pai às lembranças da vida de um homem forte e honrado, sobrevivente da Guerra do Biafra, professor universitário de longa data, marido leal e pai exemplar.

Apesar do tema, a leitura é leve, em alguns momentos um pouco densa. Mas é uma leitura fluida, bem feita e que te deixa interessada pelas próximas páginas do livro. Além disso, os capítulos são curtos, o que facilita a leitura e compreensão.

Chimamanda conta que recebeu a notícia como a maioria das pessoas recebe a notícia da perda de um ente querido. Primeiro com descrédito no que lhe era dito. Depois se sentiu revoltada. Em seguida, entrou em desespero. E, por fim, se sentiu devastada pela perda.  Em cada capítulo a autora foca em uma emoção diferente: tristeza, raiva, medo e ressentimento.

Perder alguém não é fácil e pensar na própria morte também não. Entretanto, a morte é o único fenômeno que o ser humano não tem controle… Vale a leitura!

Vocês podem mandar críticas, sugestões e mensagens pelo e-mail freitas.pamelarocha@gmail.com

Pâmela Freitas é jornalista formada pela Ufac, pós-graduanda em Jornalismo Digital pela Unyleya e repórter no site Agazeta.net

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*