Servidores do ISE aguardam redistribuição de trabalhadores

Eles buscam atuarem de fato no IAPEN

Mais de trinta servidores do Instituto Sócio Educativo (ISE) aguardam redistribuição das suas funções para o Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen).

Esses servidores foram aprovados no último concurso do Iapen no ano de 2007, mas mediante acordos, os trabalhadores foram lotados no Instituto Socioeducativo e desde o ano passado, eles vêm tentando uma redistribuição para atuarem de fato no IAPEN.

Os servidores querem aproveitar o inquérito civil instaurado pelo Ministério Público do Acre, que investiga a falta de agentes penitenciários no Estado. O promotor responsável pela ação, Tales Tranin, identificou que é necessário a contratação emergencial de 50 agentes penitenciários.

O presidente do Iapen, Lucas Gomes, conta que a realocação desses servidores causará um impacto financeiro para o Estado tendo em vista a diferença de salário. “Existe um decreto do ano de 2018 que realoca esses servidores do ISE no Iapen, porém, isso gera um impacto financeiro e em decorrência da situação fiscal do estado e da lei de responsabilidade fiscal esta remoção não pode ser feita agora porque causa impacto financeiro que seria considerado, inclusive, improbidade administrativa pelo gesto, então, é aguardar o Estado retornar a sua saúde fiscal para fazer essa remoção”, falou.

Enquanto isso, fica a indignação dos servidores que aguardam a transferência. Tendo em vista, que o próprio governador do estado, Gladson Cameli, confirmou durante uma agenda que a redistribuição seria feita. O momento foi gravado e postado nas redes sociais.

“Em 2017 teve uma turma que saiu do ISE para o Iapen e nós optamos ficar no ISE porque até então prometeram, inclusive, publicaram no Diário Oficial, a equivalência entre os cargos, consequentemente a equivalência salarial e em 2018 essa equivalência se perdeu, a desproporção salarial começou a acontecer entre as classes e nos articulamos junto ao Sindicato e conseguimos essa publicação no Diário Oficial e o Gladson em uma atividade que teve no ISE autorizou, de maneira verbal, a redistribuição, porém, até hoje não aconteceu e não sabemos o motivo”, concluiu o Agente Socioeducativo, Germeson Brilhante.