091117-cotidiano-diabetes-taianelima

Acre integra rede de ações de prevenção à diabetes

No Hospital das Clínicas, orientações aos pacientes

Nesta quinta-feira (14) é celebrado o dia de Mundial da Diabetes. Durante a data são realizadas ações de conscientização sobre a prevenção à doença.

No Acre, o ponto de referência de atividades foi o saguão de entrada do Hospital das Clínicas. No local, o setor ambulatório “pé diabético”, com a ajuda de parceiros, disponibilizou testes rápidos, e profissionais que orientavam os visitantes com informações sobre o tratamento, causa e prevenção da doença.

“O principal objetivo é a gente chamar a atenção da população sobre a gravidade do diabetes melitus, que não é só a taxa alta de glicose, o açúcar alto no sangue como a população conhece, mas o que ela pode ocasionar como nós temos demonstração aqui, que a doença não causa só amputação, mas pode causar outras patologias,” explicou a coordenadora do ambulatório, Ana Cláudia.

De acordo com levantamento da Associação dos Diabéticos do Acre (Asdac), que participou da ação, somente em Rio Branco, o número de pessoas diagnosticadas com a doença é de 8 mil. “Mês de novembro é o mês que se faz uma ação mundialmente para estar evidenciando a importância da população estar alerta, que desperte para o fato do cuidado pessoal”, disse a presidente da Asdac, Edna Oliveira.

O taxista Francisco Severo aproveitou o raro momento de folga para ir ao hospital e fazer o teste rápido. “É um incentivo muito bom pra gente, para quem trabalha muito e não tem tempo. Já fiz o teste. Não tenho, não, mas vou refazer porque, de repente, de um dia para o outro, pode mudar”.

Raimundo Alves descobriu, há sete anos, que tem a doença. Ele alega que enfrenta dificuldades para manter a dieta já que está desempregado. “Eu tomo tanto remédio, remédio caseiro. Tento fazer a dieta, mas a gente quase não faz dieta, porque tudo que a gente come é caro. Desempregado é difícil, mas a gente vai levando”.

A diabetes é de fácil detecção e não tem cura reconhecida pela Medicina, podendo apenas ser tratada com medicamentos e dieta. “A orientação que eu dou pra população é procurar a atenção básica, porque existe esse atendimento lá. E se for diagnosticado a atenção básica vai referenciar para o Hospital das Clinicas, onde temos os endocrinologistas que vão passar o tratamento adequado,” concluiu a coordenadora.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*