thumb aeroporto1

Aeronautas farão assembleia para discutir paralisação

Categoria luta por melhores condições de trabalho

Depois de receber uma série de respostas negativas sobre os pedidos de melhorias nas condições de trabalho, o Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), instituição que representa pilotos, copilotos e comissários de bordo, está preocupado com o andamento das negociações do dissídio coletivo com as companhias aéreas. No próximo dia 5 de dezembro, quinta-feira, haverá uma Assembleia com a categoria para definir se acontecerá paralisação no setor.

No dia 26 de novembro, o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA) recusou todas as pautas econômicas e sociais propostas pelos aeronautas brasileiros.  Os únicos itens aceitos na reunião foram a definição de folga simples e folga composta e o prazo durante sobreaviso, que passa de 90 para 120 minutos nas cidades com mais de um aeroporto.

De acordo com o presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas Marcelo Ceriotti, “a categoria não tem interesse em prejudicar a população e muito menos as companhias aéreas. Nossa intenção é oferecer condições de trabalho mais dignas para os tripulantes do Brasil”.

Os itens negados pelas empresas foram:prioridade na recontratação; duração mínima da jornada; folgas regulamentares; folgas fixas anuais; período oposto; previdência privada; plano de saúde e passe livre.

Aeronautas convocam Assembleia para discutir paralisação no setor

Pilotos, copilotos e comissários querem melhores condições de trabalho

Depois de receber uma série de respostas negativas sobre os pedidos de melhorias nas condições de trabalho, o Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), instituição que representa pilotos, copilotos e comissários de bordo, está preocupado com o andamento das negociações do dissídio coletivo com as companhias aéreas. No próximo dia 5 de dezembro, quinta-feira, haverá uma Assembleia com a categoria para definir se acontecerá paralisação no setor.

No dia 26 de novembro, o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA) recusou todas as pautas econômicas e sociais propostas pelos aeronautas brasileiros.  Os únicos itens aceitos na reunião foram a definição de folga simples e folga composta e o prazo durante sobreaviso, que passa de 90 para 120 minutos nas cidades com mais de um aeroporto.

De acordo com o presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas Marcelo Ceriotti, “a categoria não tem interesse em prejudicar a população e muito menos as companhias aéreas. Nossa intenção é oferecer condições de trabalho mais dignas para os tripulantes do Brasil”.

Os  itens negados pelas empresas foram:prioridade na recontratação; duração mínima da jornada; folgas regulamentares; folgas fixas anuais; período oposto; previdência privada; plano de saúde e passe livre.

Deixe uma resposta