130117-cotidiano-acidente-poste

Alcione fala sobre acidente com poste caído no meio da rua

Ela ficou com escoriações no rosto e perna, após colidir com poste

A equipe de reportagem da TV Gazeta, foi até a casa da agente de endemias Alcione Souza, 29 anos, motociclista que escapou da morte após colidir com um poste de alta tensão que havia caído no meio da rua. O fato aconteceu na tarde da ultima quarta-feira (11).

Segundo Alcione, ela voltava do trabalho para sua casa no bairro Tucumã, quando ao passar da rotatória, que fica próxima ao Colégio Armando Nogueira, o poste começou a cair e ela não teve como desviar ou acelerar para evitar o acidente, vindo a colidir com o poste. “Quando eu acordei, eu acho, eu ouvi muitas pessoas gritando- ele tá morto, ele tá morto! E uma mulher pedindo o extintor porque estava pegando fogo, então a sensação que tive foi de que o fogo estava em mim, que eu estava queimando.” Relatou.

Ela continuou, “eu tentei me levantar, me virei e saiu muito sangue do meu rosto, e as pessoas gritavam pra eu não me levantar, me rastejar, porque tinha muito fio, até que duas pessoas me ajudaram, os bombeiros fizeram os primeiros socorros e me encaminharam ao pronto-socorro.”

Alcione ficou, não apenas com marcas pelo corpo, mas também com marcas psicológicas. “Eu estou à base de calmante direto, pra vê se consigo viver. Eu fecho o olho e todo tempo aquela cena. Estou tomando calmante pra tentar seguir a vida.”

Apesar de todo o sofrimento pelo qual tem passado nos últimos dias, Alcione conta, que o dia 11 de janeiro deixou de ser um dia qualquer e agora marca o seu renascimento. “Eu nasci novamente, porque um acidente daquela proporção e eu ter ferimentos só no rosto, na perna e mãos… na proporçãoque foi, acho que não era nem pra ter sobrevivido. E eu estar viva hoje, com certeza, é um renascimento.”

O esposo de Alcione, Raimundo Bandeira, 62 anos, trabalhou por anos como motorista de ônibus, hoje não exerce mais a função por conta de um problema na perna, apenas a mulher trabalhava e agora eles não sabem como vai ser daqui pra frente. “A nossa vida tá difícil, ela que cuidava de mim, eu fico deitado direto. Ela ia trabalhar de manhã, ia à tarde pra Ufac estudar, e agora estamos os dois na cama.” Lamentou.

Ele disse ainda que empresa responsável pela distribuição de energia no estado ainda não os procurou para falar sobre o assunto. “A Eletroacre até agora não se manifestou,” afirmou seu Raimundo.

Eletrobras

De acordo com o Assistente da Diretoria de Gestão da Eletrobrás Distribuição Acre, Carlos Vaz, um técnico da empresa foi até o local no dia do ocorrido, como a vítima já havia sido levada ao Pronto socorro ele foi até ao prestar assistência à dona Alcione. “desde o instante do acidente ao técnico de segurança do trabalho acompanhou a vítima, acompanhou no hospital, prestou a assistência devida e deixou contato para ela entrar em contato.”

Vaz conta ainda que o técnico conversou com Alcione e deixou o telefone de contato para caso ela precisasse. Já nesta quinta, o técnico ligou para Alcione e ela haveria dito que já havia conseguido os remédios que necessitava para seu tratamento.

O representante da empresa disse ainda que os prejuízos materiais que Alcione teve serão ressarcidos e que eles permanecem disponíveis, caso ela precise de ajuda em relação a medicamentos. “A reparação material por conta do prejuízo com a moto será feito e estamos aguardando o contato.”

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*