181017-cotidiano-alunoscalor-gislainevidal

Alunos protestam contra infraestrutura de sala de aula

Calor de 40º e sem aparelhos de ar condicionado

Alunos de escola pública questionam por que aparelhos de ar condicionado comprados há um ano, ainda não foram instalados. Fugindo do calor, cerca de 40 alunos da escola Senador Adalberto Sena, localizada no Conjunto Tucumã em Rio Branco, saíram das salas de aula para protestar.

O forte calor e a demora na instalação de aparelhos de ar condicionado são os motivos para o ato. Ainda esta semana, segundo estudante, outra turma foi liberada antes do horário por que o calor era insuportável.

De acordo com os estudantes, na unidade de ensino, existem 11 salas, sendo apenas 1 com ar condicionado. Os aparelhos existem, estão na escola há cerca de um ano, mas ainda não foram instalados. “A maioria dos ventiladores das salas está quebrada e a ventilação é péssima”, relata Iasmin Lopes.

Com cartazes e gritos, os alunos questionaram a demora na instalação dos aparelhos. Segundo o site cptec.inpe.br, na tarde desta quarta-feira (18) a temperatura em Rio Branco era de 35 graus. Nas ruas, há os termômetros chegaram a registrar 40 graus. A sensação térmica é sempre mais alta. Dentro de uma sala de aula, não é preciso ser especialista pra saber que a temperatura não é nada agradável, ou ideal para o aprendizado.

“A gente sente muito calor. Nas salas tem ventiladores mas eles não amenizam o calor e a gente se incomoda com isso”, disse a estudante Helen Nascimento.

Nossa equipe conversou com o diretor da escola, Nelson Gadelha. Ele não quis gravar entrevista, mas explicou que de acordo com projeto de climatização das escolas, a Secretaria de Educação pretende concluir a instalação de ar condicionado até julho de 2018. Outro problema foi o sistema de energia elétrica da escola que não suportaria a carga gerada pelos aparelhos. Uma subestação foi colocada, mas agora, é preciso aguardar os trâmites burocráticos entre Secretaria de Educação e Eletrobras.

Quanto ao mau cheiro, o diretor justificou que o problema não está nos domínios da escola e sim, em uma rede de esgoto do bairro Rui Lino.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*