120517-cotidiano-br364-tvgazeta

Audiência debate tecnologias aplicadas às obras da BR-364

Dnit promove discussão na Ufac

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) promoveu seminário para discutir o anteprojeto de reconstrução do trecho problemático da BR-364, entre Sena Madureira e Cruzeiro do Sul.

A sala de reuniões da Ufac ficou pequena pra tanta gente. O local providenciado na última hora depois de um desencontro de agendamento de auditório. O seminário reuniu representantes de órgãos de controle, corpo técnico da engenharia do estado, acadêmicos, entre outros convidados. Em pauta: o anteprojeto de reconstrução da BR 364, entre Sena Madureira e o Rio Liberdade em Cruzeiro do Sul.

Segundo o superintendente do DNIT, Thiago Caetano, o seminário promovido nesta quinta-feira (11), teve objetivo de dar transparência e apanhar soluções para adequar o projeto a realidade local.

“A ideia do seminário é abrir o projeto de reconstrução da BR 364, as soluções que estão sendo propostas, previstas, pra sociedade acadêmica, para os professores, para o corpo técnico de engenheiros do estado, pra tentar de alguma forma ajustar esse projeto a nossa particularidade regional pra que no fim tenhamos projetos melhores, compatíveis com nossa região e com as expectativas da população, que atenda e que os recursos sejam bem aplicados”, disse.

De R$ 800 milhões a R$ 1 bilhão, esta é a estimativa de custo do trecho de 400 Km da BR-364 que precisa ser reconstruído. Uma obra desse tamanho, segundo o Dnit, pode demorar mais tempo do que se imagina para ser concluída porque os recursos chegam parcelados, ano a ano. Portanto, se tudo transcorrer na normalidade, o trecho mais complicado da BR só deve estar totalmente reconstruído no ano de 2023.

Mesmo com esse prazo o Superintendente do Dnit garante que o tráfego será pleno no trecho em questão, a partir deste ano, por que há um projeto em vigor de manutenção.

“Com esse projeto nós temos lá, vamos ter condições de tráfico na rodovia desde o final deste ano. A ideia é que nos próximos anos a gente possa ter soluções maiores e resolver de forma definitiva os problemas dessa rodovia”, afirmou.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*