050816-cotidiano-queimadasflorestais-josenirmelo

Aumenta desmatamento no Acre em 30%

Cálculo foi feito pelo Instituto do Homem e da Amazônia

Segundo boletim do Instituto do Homem e da Amazônia (Imazon), o desmatamento no Acre cresceu quase 30% entre agosto de 2016 e março de 2017. Para especialistas ambientais, o dado é preocupante e mostra a falência dos órgãos de fiscalização do estado.

Enquanto que o estado do Mato Grosso, até então o campeão do desmate, apresentou uma redução de 32% em relação aos 595 quilômetros quadrados de agosto de 2015 a março de 2016, o desmatamento no Acre cresceu 29% no mesmo período. O estudo é do Instituto do Homem e da Amazônia (Imazon).

Para o geógrafo e pesquisador ambiental Claudemir Mesquita, o dado é preocupante. “A gente entende que esse estado tem um documento chamado Plano Estadual de Recursos Hídricos que é o indicador de que a gente já prepara o estado pra melhorar e tem um zoneamento ecológico econômico, que estabelece zonas para desmate. Nesse caso, nenhum desmate foi efetivamente acompanhado pelos órgãos de fiscalização. Aí mostra a falência dos órgãos de fiscalização no estado. Mostra o quanto o estado está à deriva dos recursos econômicos”, opina o geógrafo e pesquisador ambiental Claudemir Mesquita.

Além do Acre, Amazonas, Pará e Rondônia apresentaram crescimento no desmate, de 23%, 19% e 28%, respectivamente.

Em outro estudo, o Imazon mostra que o Acre ocupa a 4ª colocação entre as 50 unidades de conservação mais desmatadas na Amazônia entre os anos de 2012 e 2015. O Estado tem duas UCs estaduais e quatro federais no ranking liderado por Rondônia, cujas unidades de conservação perderam cerca de 90 mil hectares no período analisado.

Estão na lista crítica do Imazon as resex Chico Mendes e Alto Juruá, Cazumbá-Iracema, Florestas Estaduais do Mogno e Antimary, e Seringal Nova Esperança.
Fortalecer o sistema de fiscalização é o que acredita o pesquisador ambiental Mesquita, para que os indicadores voltem a apresentar redução do desmatamento.

“Ministério Público, Imac, Sema, Semeia, as instituições que cuidam do meio ambiente precisam ser fortalecidas por que elas só agem quando há denúncia, por que quando há denúncia não repõe mais a uma árvore que estava em pé, por exemplo”, afirma.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*