080917-cotidiano-gas-aumento

Aumento anunciado pela Petrobras ainda não chegou às revendedoras

Botija de gás de cozinha permanece com mesmo preço

Na última terça-feira (5), a Petrobrás anunciou novo reajuste no gás de cozinha. O aumento ainda não chegou às revendedoras de Rio Branco até esta quinta-feira, mas o consumidor já se prepara pra receber mais essa péssima notícia nos próximos dias.

O autônomo Raimundo Souza se surpreendeu ao chegar ao posto pra comprar gás. Ele já estava preparado pra pagar mais, só que o preço ainda era o mesmo.

Nossa equipe passou por outros revendedores que também estão praticando o mesmo preço.

Pela botija de 13 kg, Raimundo pagou R$ 65,00. Mas não deve ser assim na próxima compra. De acordo com a Petrobras, o gás de cozinha vai ficar em torno de R$ 2,50 mais caro.

“Eu acho isso um absurdo por que já pagamos imposto alto e cada dia aumenta um imposto diferente, e onde a gente vai parar desse jeito?”, reclama.

Quem também não gostou nada da notícia é a comerciante Lucinete Dias. Apesar de fritar os salgados no recipiente elétrico, boa parte dos alimentos são preparados no fogão a gás. “Eu cozinho a macaxeira, o arroz do quibe, faça o recheio da saltenha, carne moída, massa da coxinha, tudo no fogão.”

Por mês, a comerciante consome 2 botijões de 13 kg pra fabricar os salgados. “Tem que se virar nos trinta pra economizar. Aí o cliente reclama do preço do salgado que a gente aumenta, mas não é culpa nossa, é do governo”, lamenta.

A Petrobras informou na terça-feira (5) que decidiu elevar em 12,2% em média o preço do gás de cozinha e destacou que o reajuste previsto foi aplicado sobre os preços praticados sem incidência de tributos. Se for integralmente repassado ao consumidor, a empresa informa que o preço do botijão de 13 kg pode ser reajustado, em média, em 4% ou cerca de R$ 2,50 por botija, isso se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de tributos.

As justificativas para o aumento são de que os estoques estão muito baixos e os eventos extraordinários, como os impactos do furacão Harvey na maior região exportadora mundial de gás liquefeito de petróleo, nos Estados Unidos.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*