thumb bibliotecaFloresta1

Biblioteca da Floresta ganhará manutenção, garante Fundação

Central de refrigeração está danificada há nove meses

Em março do ano passado, João Victor e um grupo de amigos precisaram mudar o endereço do lugar onde sempre estudavam para concursos públicos. Motivo: problema na refrigeração do ar-condicionado da Biblioteca da Floresta, no parque da Maternidade.

Parte do prédio ficou sem climatização, inclusive a sala de estudos, utilizadas por diversas pessoas diariamente. A solução encontrada foi procurar outro espaço. Atualmente, João Victor frequente a Biblioteca Pública, no centro da capital. Mudança que ele não aprovou.

“A biblioteca é visitada por turistas e muitos estudantes, isso acaba trazendo barulho e a gente não consegue se concentrar direito. Diferente da Biblioteca da Floresta que possui outro público, mais focado no estudo”, explica.

Ele ainda questiona a demora para realização do conserto. Vários meses já se passaram e o local ainda não passou por manutenção. Ruim para quem precisa do espaço e pior ainda para aqueles que trabalham na biblioteca.

Além da sala de estudos, o primeiro e segundo andar estão sem refrigeração. O forte calor deixa o local insuportável. Ficar muito tempo no interior do prédio é uma verdadeira prova de resistência. Ventiladores são utilizados para tentar amenizar a situação.

Segundo a presidente da Fundação Elias Mansour(órgão responsável biblioteca), Karla Martins, o sistema de refrigeração é específico para atender a arquitetura do prédio. Por isso, além do alto custo, a manutenção é difícil de ser encontrada no mercado local.

Isso sem contar a burocracia. O processo licitatório foi aberto e vencido por uma empresa acreana. O custo do reparo é de R$ 103 mil. “Estamos nos trâmites finais e acredito que o serviço esteja pronto em dois meses”, enfatizou Karla Martins.

Deixe uma resposta