090317-cotidiano-onibus-tvgazeta

Começa a valer novo valor da passagem

E volta a ter o mesmo problema com o troco

Agora não tem choro nem vela, o aumento da passagem no transporte coletivo de Rio Branco começa a valer a partir desta quinta-feira. Após diversas reuniões, cancelamentos de decisões e adiamentos, foi definido o novo valor de R$ 3,50 para o usuário comum e R$ 1 para o estudante. A população é claro, repudia o reajuste e reivindica melhoria no serviço.

A maioria dos membros do Conselho tarifário e de transportes votou pela tarifa de R$ 3,80. Contudo a prefeitura garantiu a isenção de impostos e taxas, um montante estimado em R$ 4,5 milhões. Com essa renúncia, a passagem dos estudantes continua a R$ 1 e a dos demais usuários a R$ 3,50. Os novos valores passaram a valer nesta quinta-feira.

Antes de isso tudo ser definido, os usuários do transporte público reclamaram muito, houve protestos, reuniões do conselho tarifário canceladas pela justiça, outras adiadas.

Discussões que iniciaram em janeiro e só concluíram agora. Nesse período de polêmicas, uma coisa era certa: o aumento chegaria, sob forte argumento das empresas, que convenceram primeiro a RBTrans e, por fim, a maior parte dos membros do conselho tarifário.

O reajuste de R$ 0,50 assustou, e ainda causa indignação de alguns passageiros. “É um absurdo uma passagem de ônibus assim, tão cara né. A gente já trabalha com dificuldade pra pagar”, opina o gari Rafael Andrade.

“Eu não concordo por que a gente passa muito pouco tempo dentro de um ônibus pra pagar R$ 3,50. Não sou estudante, já terminei, mas não concordo não”, afirma a atendente Lívia Pícolo.

A aposentada Maria Barbosa é mais uma vítima da negligência de motoristas. Ela afirma que foi arrastada enquanto desembarcava e por sorte, os ferimentos não foram graves. “A porta bateu na minha perna e eu segurei no ferro e o ônibus saiu me arrastando”, relatou a idosa.

E o que isso tem a ver com o preço da passagem. A idosa espera que o lucro do reajuste sirva pra capacitar os trabalhadores do sistema de transporte e que o serviço melhore. “Eu não sou contra o aumento, só queria que os motoristas, olhassem mais para os idosos”, disse.

Como na Capital esse assunto já está selado, agora as empresas do transporte coletivo intermunicipal é que devem brigar por reajuste. A passagem de Senador Guiomard a Rio Branco, por exemplo, custa R$ 3,50, o mesmo valor do bilhete cobrado em Rio Branco. Esse deve ser o argumento das empresas: a defasagem.

A Agência Estadual Reguladora de Serviços Públicos (Ageac) ainda não recebeu pedido formal de revisão da tarifa, mas os empresários já sinalizaram que nos próximos dias o documento deve ser entregue. A princípio, o pedido de aumento seria apenas nas linhas metropolitanas que compreendem: Porto Acre, Senador Guiomard e Bujari.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*