280817-cotidiano-depasa-tvgazeta

Depasa quer levar devedores ao SPC

Diretor garante que não se trata de negativação

Com inadimplência em torno de 50%, o Depasa pretende a partir de 2018 levar a carteira de consumidores devedores ao SPC (Serviço de Proteção ao Crédito). O Departamento ainda trabalha a conscientização da população atendida, com programa de parcelamento de dívidas, mas se mesmo assim, não houver resultado, o cadastro de inadimplentes será remetido ao SPC.

O Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (Depasa) está atualizando o cadastro de usuários de água potável para a partir de 2018 entrar com novas providências contra a inadimplência.

O departamento assinou contrato com a Associação Comercial do Acre (Acisa) para entre os serviços oferecidos, incluir o registro de nomes de devedores no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). O valor do contrato válido por 12 meses é de R$ 130 mil. Segundo o diretor técnico Anderson Mariano, não significa “negativação” de nome, e sim, disponibilização de dados para consultas de outras empresas.

“Isso não significa que estamos buscando a restrição de crediário do consumidor. Estamos buscando aproximar cada vez mais, chamando os nossos consumidores para negociar as contas juntos com a instituição”, explicou.
O SPC serve para as lojas avaliarem se é ou não um risco vender a prazo para a pessoa em consulta. Então se um cidadão for incluso no cadastro, em outras palavras, está com o nome sujo.

Em 2016, o Depasa deixou de arrecadar quase R$ 30 milhões. Segundo o setor responsável pelas finanças, em torno de 50% da população atendida pelo Depasa, não paga pela água tratada que recebe.

De acordo com Anderson Mariano, o valor que entra no caixa, não supre as despesas do departamento. “Isso impossibilita que o sistema seja sustentável. Todo mês o governo tem que fazer um aporte de recurso próprio pra garantir a manutenção e operação do sistema. Sistema de água e esgoto em todo estado”, explica.

O repasse do governo ao Depasa mensalmente é de R$ 2,5 milhões a R$ 3 milhões. O valor é revertido para folha de pagamento de pessoal e tratamento com produtos químicos.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*