Educação estuda retorno das aulas presenciais em setembro

Alunos que irão realizar a Prova Brasil em dezembro serão priorizados

A Secretária de Estado da Educação, Cultura e Esportes (SEE) está estudando a possibilidade do retorno das aulas presenciais a partir do mês de setembro. As aulas presenciais estão suspensas desde março de 2020 devido a pandemia do coronavírus.

De acordo com a Secretária de Educação, Socorro Neri, há uma série de medidas sendo tomadas para o retorno presencial. “Estamos preparando as escolas para esse retorno com manutenção nas escolas, contratando professores e profissionais necessários para o funcionamento da escola, estamos organizando os contratos do transporte escolar e da merenda, também estamos realizando um protocolo pedagógico e um protocolo sanitário”, informou a secretária.

A prioridade com o retorno presencial das aulas são para os estudantes do quinto ano do ensino fundamental, nono ano do ensino fundamental e terceira série do ensino médio, devido a Prova Brasil. “Esses estudantes serão avaliados pelo sistema do Ministério da Educação (MEC) em dezembro”.

A secretária garante que o retorno será de forma gradual com o sistema de ensino híbrido, aulas presenciais e a distância. “A necessidade de fazer uso das tecnologias, de material impresso, de vídeo aulas vai continuar existindo. Nós vamos precisar fazer uma complementação, reforçar para que os nossos estudantes possam corrigir e minimizar os prejuízos causados pela pandemia”, informou Socorro Neri.

Segundo a secretária, o Comitê de Acompanhamento a Covid decidiu que o retorno das aulas presenciais poderia acontecer no segundo semestre letivo de 2021. Devido a greve da educação algumas escolas iniciaram as atividades apenas em junho, e outras em maio, por isso, haverá uma distinção de uma escola para outra em relação ao retorno presencial.

“Nós estaremos acompanhando e autorizaremos o retorno presencial a partir do entendimento da decisão com o conselho estadual de educação e aprovação do Comitê de Acompanhamento a Covid no momento em que as condições que garantem a segurança dos estudantes e dos profissionais estejam postas”, concluiu Neri.

Informações de Jardel Angelim para TV Gazeta.

Foto: TV Gazeta.

Deixe uma resposta