Empresas de ônibus paralisam atividades a partir deste domingo

O motivo é a falta de diesel para fazer os transportes coletivos circularem

As empresas de ônibus Auto Viação Floresta e o Consórcio Via Verde, formado pelas empresas São Judas Tadeu e Via Verde, decidiram neste domingo (17) realizar uma paralisação na cidade de Rio Branco. O motivo é a falta de diesel para fazer os ônibus circularem.

“Esses empresários pararam sem comunicação, soubemos através de informações que jogaram nos sites de notícias, contudo não comunicaram ao órgão gestor fiscalizador que é a RBTRANS, portanto eles alegam que não condições de comprar o diesel, e retorno dizendo que formos surpreendidos assim como os motoristas que foram liberados”, afirmou o diretor de transportes da RBTrans, Clendes Vilas Boas.

Em nota, enviada para a Diretoria de Comunicação da Prefeitura de Rio Branco, o presidente do Sindicato dos Transportes do Acre (Sinttpac), Francisco Marinho, esclareceu que essa paralisação é uma estratégia dos empresários do transporte coletivo para pressionar a gestão municipal atual a liberar recursos às empresas.

Na nota o presidente do Sinttpac afirma que “não são os motoristas que tomaram essa decisão, mas sim os próprios empresários que não cumprem suas obrigações, não pagam nossos direitos trabalhistas, não pagam nem os IPVAs dos seus ônibus, não recolhem nossos FGTS, não respeitam nossos irmãos de luta, que são os motoristas e não medem esforços de dar o seu melhor”, afirma.

Ele também acrescenta: “Lamento muito em dizer, mas com essa decisão deles, que de forma arbitrária paralisaram 100% da frota sem sequer comunicar os órgãos, instituições, imprensa e a própria RBTrans, não merecem continuar aqui. Empresários que nunca cumpriram um TAC (Termo de Ajuste de Conduta), junto ao Ministério Público, não estão preocupados com mais nada”, acrescentou.

Por fim, mediante essa atitude das empresas, o diretor de transportes da RBTrans, Clendes Vilas Boas, afirmou que terá consequências. “Portanto, essa atitude arbitrária por parte deles terá as primeiras reprimendas legais, como já havia acontecendo desde do início que havíamos assumido a gestão, que são as multas, notificações. E acredito que o prefeito também falará sobre medidas mais severas sobre essa atitude dessas empresas”, concluiu.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*