080520-especial-dia-das-maes

“Fernando é o filho que preciso ter, assim como tento ser a mãe que ele precisa”, afirma Hizabelle

Por causa da pandemia, mãe e filho passarão primeiro Dia das Mães longe

“Ter filho e formar uma família nunca fez parte dos meus planos, mas aí veio o Fernando com aquele sorrisinho banguela, e no meu momento mais difícil era ele que me dava forças para continuar e não desanimar”, conta Hizabelle Pessôa, acadêmica de psicologia e mãe do Fernando Henrique.

No final de 2014, em seu primeiro ano de graduação Hizabelle descobriu a gravidez não planejada. O namorado – na época – e pai do filho, também era estudante universitário. Com uma gravidez tranquila, recebendo carinho e amor dos amigos e família, a jovem conseguiu dar à luz o primeiro filho.

“Meu pós-parto foi um pouco difícil, na época minha vó estava com câncer em um estágio muito avançado. Dias antes do Fernando nascer minha mãe rompeu os ligamentos da perna, e minha tia vivia viajando por conta do trabalho”.

Cinco meses após o nascimento do filho, a avó que a criou e que esteve ao lado de Hizabelle faleceu. “Foi muito difícil passar por todo o processo do luto, mas o Fernando me tornou uma pessoa melhor, mais paciente, mais amorosa, mais preocupada. Ele veio para renovar as minhas forças, para me ensinar amar, e agora não consigo imaginar uma vida sem ele”, afirma.

Nos dias atuais, mãe e filho precisaram se separar por causa da pandemia do novo coronavírus, e não passarão o Dia das Mães juntos. Isso porque Pessôa trabalha no comércio e preocupada com a saúde dela e do filho resolveu resguardar o pequeno.

080520-hizabelle-fernando-foto-meio

“Não está sendo fácil. Há mais de um mês que ele está com o pai, e nós nunca passamos tanto tempo longe um do outro. Mas, diante de tudo que está acontecendo e como trabalho com o público, achamos que seria melhor”, afirma Hizabelle.

Uma forma de manter por perto quem está longe são as redes sociais. “Agora eu tento manter contato por vídeo chamada, mas não tem como matar a saudade de pegar no colo, apertar e beijar, mas pelo menos as plataformas virtuais servem para amenizar tudo isso”.

“Fernando é luz nas nossas vidas, todos que o conhecem dizem o quanto ele é educado, amoroso e sempre muito compreensivo. Eu não sei o que seria de mim sem ter o Fernando para alegrar e iluminar meus dias, ele é o filho que eu preciso ter, assim como tento ser a mãe que ele precisa”, conclui Hizabelle Pessôa.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*