040719-cotidiano-caosnasaude

Funcionário denuncia problemas dentro do Huerb

De falta de material a maca nos corredores

Falta de medicamentos, de atendimentos e pacientes deitados nas macas nos corredores são alguns dos problemas envolvendo o Pronto Socorro de Rio Branco.

A equipe da TV Gazeta teve acesso com exclusividade ao interior do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco, o Pronto Socorro, para mostrar o descaso no atendimento, na falta de medicamentos e também das pessoas que viajaram de outros municípios e estão internadas aguardando uma cirurgia.

Weliton Alves da Silva está a 36 dias esperando uma cirurgia no fêmur, deitado em uma maca. “Faz três dias que não passa nenhum ortopedista aqui e se for à sala deles tem quatro, cinco dentro da sala, mas eles dizem que não podem atender. Eu já tentei me levantar, mas não consigo, eles nem me operam e nem me mandam embora, aqui está uma mentirada, só na conversa, só me empurrando com a barriga. Não sou daqui, sou de Machadinho, eu não me machuquei empinando moto ou fazendo bagunça não, foi trabalhando para poder sustentar minha família para ninguém fazer nada de errado e agora estou em cima desse leito e ninguém faz nada por mim”, disse o paciente.

Logo na chegada já é possível perceber macas espalhadas pelos corredores e várias pessoas aguardando atendimento. O indígena, Arlindo Maia Kaxinawá, do Jordão está internado há três meses aguardando uma cirurgia no joelho.

O técnico de enfermagem, Yunin, falou que eles procuram a equipe competente, mas ninguém dá uma resposta. “O nosso paciente está há três meses internado no Huerb aguardando uma cirurgia no joelho e ninguém dá resposta, nós já procuramos o médico, a direção, a nossa equipe da casa do índio, a assistência social, mas ninguém dá uma resposta, às vezes eles dizem que vão fazer cirurgia na próxima semana e o paciente já está com três meses com o fixador no joelho e pedindo socorro. Os nossos pacientes indígenas já vem tão de longe procurar um atendimento e quando chegam aqui é um descaso no nosso hospital”, concluiu.

Além disso, o técnico confirmou a falta de material para realizar cirurgias e a falta de medicamentos.

A equipe da TV Gazeta procurou o diretor do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco, mas ele não se encontrava no momento para dar uma entrevista e falar a respeito dessas denúncias.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*