thumb lixao sena01

Lixão de Sena Madureira, problema quase superado

Bom para a saúde pública e o meio ambiente

Até o final de 2014, todos os municípios deverão dar destinação correta ao lixo, mas apenas 10% das cidades brasileiras já resolveram esse problema. O lixão de Sena Madureira também está com os dias contados. Bom para a saúde pública e o meio ambiente.

A mensagem de boas vindas ao município de Sena Madureira não é muito receptivo. O sobrevôo dos urubus aponta para o primeiro problema da cidade, mas que está com os dias contados. Todo tipo de lixo é despejado no local, longe dos padrões ambientais necessários para um aterro sanitário. O lixão é frequentado por catadores, inclusive indígenas que aproveitam muitos materiais descartados.

De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, todos os lixões do país devem ser eliminados até o final deste ano. Os municípios são obrigados a destinar corretamente os resíduos produzidos nas cidades, a partir do ano que vem, e Sena Madureira já tem planos para cumprir com essa exigência. “Já temos o terreno, todas as licenças que necessita e também a aprovação do Imac para a instalação do aterro sanitário. O projeto está pronto”, garante, o prefeito Mano Rufino.

O projeto para o aterro Sanitário do município deve custar mais de R$ 5 milhões de reais e inclui o processo de desativação do atual lixão da cidade. “Todas as providências estão sendo tomadas para fechar o lixão da maneira correta para não transtornar o município”, explica.

Em todo país, cerca de apenas 10% dos municípios conseguiram se adequar a nova política de resíduos sólidos. Rio Branco faz parte desse grupo desde 2009 com a instalação da Utre, Unidade de tratamento de resíduos sólidos. Os demais municípios precisam correr contra o tempo. Uma possibilidade viável é a formação de um consórcio intermunicipal para custear as despesas com a construção dos aterros.

Deixe uma resposta