Thumb luan

Mãe lamenta a falta de assistência da Real Norte

Crianças foram atropelados na faixa de pesdestres; uma morreu 
 
Maria José de Lima é mãe de Luan de Lima Pereira, 9. A criança teve as duas pernas amputadas após ser atropelada por um ônibus da empresa Real Norte, no momento em que atravessava a faixa para ir à escola, com a irmã um ano mais velha. A irmã morreu na hora. O caso ocorreu em novembro do ano passado em Cruzeiro do Sul e chocou a população.
 
Quase um ano depois da tragédia, Maria hoje passa por necessidades. Há seis meses ela está em Rio Branco com o filho a tratamento e morando de aluguel em um apartamento na Avenida Antônio da Rocha Viana, próximo ao Horto Florestal.
 
Para entrar no local é preciso subir umas escadas e Luan precisa ser carregado nos braços da mãe. O local não é de acesso adequado para a situação que eles se encontraram, mas foi o aluguel mais em conta encontrado por Maria que hoje vive apenas da pensão do filho. 
 
Embora o dia a dia seja difícil, a preocupação de Maria vai além. Ela se preocupa com o futuro do filho. A cadeira de rodas foi doada, a alimentação é feita por doação de algumas pessoas que se comovem com a vida deles, mas uma garantia de vida normal para Luan, mesmo sem as pernas, tira o sono da mãe que deixou de trabalhar para cuidar filho.
 
“Ele ainda não pode ficar sozinho para eu ir trabalhar. Em Cruzeiro do Sul eu tinha um comércio em casa. Quero apenas que a empresa pague pelo que ocorreu com meu filho, para ele ter perspectiva de vida”, disse.
 
Segundo Maria, a empresa nunca procurou a família para dar assistência e hoje ela quer que isso ocorra para, ao menos, poder oferecer uma vida melhor a criança.  
Os interessados em ajudar a família pode entrar em contato no número (68) 9983-9681

Deixe uma resposta