thumb mulhervitima

Mulheres vítimas são preparadas para o mercado de trabalho

A maioria vivia subjugada ao companheiro

A Secretaria Municipal da Mulher e o Senac preparam 200 mulheres para o mercado de trabalho através de cursos profissionalizantes. A notícia parece comum, se não fosse por um detalhe importante. Todas as formandas foram vitimas de violência, e os cursos, são uma forma de ganharem a liberdade econômica.

A maioria vivia subjugada ao companheiro e aceitava a violência porque não tinha como se manter. Agora, com uma profissão, vão poder ter renda própria e ganhar o maior dos bônus: a liberdade.

Os cursos oferecidos foram culinária, na área de bolo, tortas e salgados, teve a parte de beleza com depilação, manicure, e cebeleireira e corte e costura.

Um das formandas, a Dioniza Gomes, de 80 anos, era o maior exemplo da turma. A aposentada não deixou a idade avançada impedir que fizesse novos conhecimentos e projetos. Estudou bastante no curso de costura e agora quer ter o próprio negócio.

Para muitas dessas mulheres, a certificação de um curso profissionalizante é a sua inclusão social. A Delcilene Chagas, de 22 anos, foi vitima de um ato violento quanto tinha 19 anos. Vivia depressiva e, presa as memórias, ao visitar a Casa Rosa Mulher foi incentivada a fazer um curso profissionalizante, já está no quarto, e agora quer montar um empreendimento na área de beleza.

Segundo Graças Lopes, secretária municipal da Mulher, o curso atingiu também pessoas da área rural, que por não serem qualificadas ficam presas aos companheiros. Agora, usando suas habilidades estão com toda liberdade para procurar novos caminhos.

Deixe uma resposta