12-08-20-feminismo-acre-entendendo-a-luta

“O feminismo é uma luta por nossa sobrevivência”

Acreanas explicam porque são feministas

De acordo com o dicionário, feminismo é a “doutrina cujos preceitos indicam e defendem a igualdade de direitos entre mulheres e homens”, também pode ser definido como “movimento que combate a desigualdade de direitos entre mulheres e homens”, em ambas as definições encontramos as palavras “direito” e “igualdade”.

Para a estudante e comunicadora indígena da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), Alana Manchineri, feminismo “é um movimento social que tem como principais bandeiras de luta a equidade de direitos e condições de vida melhores para mulheres”.

“É um movimento mundial por se tratar de pautas que perpassam nossas fronteiras geográficas, a sociedade *patriarcal influencia na desigualdade de direitos para com as mulheres no mundo todo, a violência contra as mulheres é pandêmica”, diz Manchineri.

Lara de França é estudante de Psicologia e artista, e define o movimento feminista como “político de mulheres em prol da emancipação social, política e econômica de mulheres”.

“Em um mundo *misógino, onde a exploração e violência contra mulheres são aceitas e mesmo reforçadas, o feminismo é uma luta por nossa sobrevivência. É um movimento enorme e diverso, com diferentes vertentes, epistemologias, métodos e formas de enxergar o mundo, mas creio que em comum seja a luta pelos direitos das mulheres”, declara.

Já para a criadora de conteúdo digital, Marília Camargo Gurgel o feminismo é “um movimento que prega a ampliação dos direitos das mulheres na sociedade em geral, nada mais do que nivelar a sociedade, tanto na questão de direitos, como de deveres”.

Marília acrescenta que o feminismo também é sobre mulheres apoiarem outras mulheres. “Eu tento praticar diariamente o feminismo da equidade e da *sororidade. Apoiando as mulheres em todos os sentidos e ajudando a desconstruir alguns padrões impostos pela sociedade”.

Maria Meirelles é jornalista e acredita que o movimento feminista é libertação. “A sociedade diz a todo o momento para nós o que não podemos e o que podemos. E o feminismo diz que nós podemos tudo que nós quisermos, podemos sonhar e podemos alcançar. O feminismo é liberdade”, diz.

“A gente vive numa sociedade em que os homens acham que podem definir o nosso caminho, o que nós vamos ser, e principalmente, eles tiram a nossa vida quando acham que a gente não merece mais viver. Então o feminismo é a luta pela vida, por justiça. Acredito nesse movimento, nessa união de empoderamento, de libertação e emancipação das mulheres”, finaliza Meirelles.

* Patriarcado é uma palavra derivada do grego e significa “a regra do pai”, “pai de uma raça” ou “chefe de uma raça”. Sylvia Walby é uma socióloga britânica que define patriarcado como “um sistema de estruturas sociais inter-relacionadas que permitem que os homens explorem as mulheres”. Sociedade patriarcal é aquela onde homens detém o poder e predominam lugares de liderança política, econômica, de autoridade moral, privilégio social e controle das propriedades. Em uma sociedade patriarcal, o poder pertence aos homens.

*Misoginia é definida como repulsa, desprezo ou ódio contra as mulheres. Ela é fruto da sociedade patriarcal que mantém a hierarquia de homem, mulher. Aqueles que detêm o poder visam o estabelecimento e a manutenção das diferenças e desigualdades que fazem com que o a hierarquia continue intacta.

*Sororidade é o sentimento de solidariedade, empatia e companheirismo entre mulheres. Também pode ser entendido como “união entre irmãs”, como a versão feminina da palavra fraternidade. Na sociedade patriarcal onde os que detêm o poder querem continuar com o poder, que colocam aqueles que estão abaixo de si hierarquicamente uns contra os outros, no caso, umas contra as outras, mulheres devem unir-se cada vez mais, criar e fortalecer laços entre si. A palavra vem como uma reafirmação da luta feminista.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*