golpe-telefone

Polícia investiga golpista que usa o nome de pacientes na UTI

Pelo menos três pessoas caíram no golpe

A Polícia civil alerta para um novo golpe na praça, que usa o nome de pacientes na UTI de unidades hospitalares, para lesar familiares. O estelionatário que ainda não foi identificado se passa por médico, e de posse dos dados do paciente, pede que a família deposite valores que seriam para custear despesas com exames.

A polícia civil do Acre vai entrar em contato com investigadores de outros estados para tentar desvendar a identidade do criminoso.

A criatividade dos estelionatários transcende os limites de uma mente perversa. Desta vez, um golpista conseguiu usar o momento de fragilidade das vítimas, para atacar. Se passando por médico, o estelionatário ligava para familiares de pacientes internados em estado grave em unidades hospitalares de Rio Branco e pedia que valores fossem depositados para cobrir despesas com o tratamento. Pelo menos três pessoas caíram no golpe, sendo duas com familiar no Pronto Socorro e uma com parente em tratamento no Hospital Santa Juliana.

No caso da rede pública, as vítimas não se atentaram que os serviços não são cobrados, e algumas delas chegaram a depositar até R$ 2500,00 nas contas informadas pelo criminoso. Quando a polícia foi acionada, uma vítima conseguiu que o banco bloqueasse parte do dinheiro transferido.

O golpe só foi descoberto por que a família de um paciente internado na UTI do Pronto Socorro suspeitou do tipo de exame solicitado pelo suposto médico. Ele teria pedido dinheiro para fazer uma tomografia, mas o procedimento não se enquadrava com as necessidades do paciente.

A família também não tinha o valor cobrado então procurou o diretor do PS, para resolver o impasse. “De imediato comunicamos a polícia que iniciou a investigação pra impedir a continuidade dessa ação”, disse o diretor Rodson de Souza.

Segundo ele, as informações dos pacientes são resguardadas pelos servidores da unidade. De acordo com ele, a expectativa é que a investigação policial esclareça também, como o estelionatário teve acesso aos dados internos. “Se há internamente um responsável pra isso que seja descoberto e todo um procedimento administrativo no rigor da lei seja aplicado”, concluiu.

O delegado responsável pela polícia interestadual, Alcino Júnior está conduzindo as investigações e outros estados serão acionados. “A partir de agora é contatar as polícias do Mato Grosso e Distrito Federal, para localizar os titulares das contas. Já descobrimos quem são, mas apesar disso muitas vezes trata-se de pessoas que usam documentos roubados, furtados”, disse.

A polícia ainda não sabe quantas pessoas caíram no golpe. Com a divulgação do alerta, os investigadores acreditam que outras vítimas podem aparecer e esperam com isso colher mais provas.

Deixe uma resposta