130617-cotidiano-ciclistas-tvgazeta

Porto Velho é logo ali, mesmo de bike

Ciclistas encaram BR-364 em aventura à margem da estrada

Dois amigos se aventuraram na BR-364, pedalando mais de 500 Km até a capital de Rondônia, Porto Velho. Um é autônomo e outro é promotor de vendas. Ambos com histórias de vida diferentes, mas que encontraram no ciclismo o escape de problemas sérios.

Reginaldo Dantas e Sidney Cruz se conheceram há pouco mais de um ano, mesmo período em que os dois ingressaram no ciclismo. A amizade entre a dupla começou em uma rodovia, junto com um grupo de cicloturismo. A partir desse momento, eles iniciaram um cronograma de aventuras.

O último desafio foi cumprido na semana passada. Entre os dias 5 e 8 de junho eles percorreram 525 quilômetros, pedalando de Rio Branco à Porto Velho. Como foi a viagem? Eles respondem com as próprias palavras. “No primeiro dia andamos 260 quilômetros, no segundo 180 e no terceiro 96 quilômetros. Foi maravilhoso, emocionante, conhecemos pessoas, foi espetacular”, avalia Reginaldo.

“O que foi difícil acredito que o percurso com muitos buracos, ladeiras e o sol chegando em Porto Velho, que castigou. Mas foi sem palavras, com muitas paisagens, inesquecível”, disse Sidney.

E não pára por aí. A dupla de aventureiros se prepara para cruzar o Acre, pedalando 1040 quilômetros. Eles querem partir de Assis Brasil e terminar a viagem em Mâncio Lima.

A rotina de treinamento é de profissional: de 5 a 12 horas por dia. Num treino de apronto para Porto Velho, eles percorreram 200 km, entre Rio Branco e a divisa entre o Acre e o Amazonas.

A paixão pelo ciclismo tem mais de uma razão de existir. O esporte fez o Reginaldo sair da obesidade mórbida, conquistando mais saúde e qualidade de vida. “Eu pesava 137 quilos e hoje peso 95. A bicicleta salvou minha vida e abriu portas para outros esportes”, disse.

Para o Sidney não foi diferente. O ciclismo era o que ele precisava para mudar de rota na vida. “Eu tinha problemas no passado e a bicicleta transformou minha vida, tanto social quanto psicologicamente”, afirma.

Enquanto eles se preparam para a nova aventura, a gente fica aqui torcendo para que o esporte salve outros, para o bem da saúde, do corpo, da alma e da mente.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*