banner hostifruti

Produtores rurais criam feira orgânica e viram exemplo

Hortaliças sem agrotóxicos fazem sucesso entre consumidores

Eles estavam se preparando para deixar a terra quando descobriram um ‘filão’ para as vendas das hortaliças que produziam. Um grupo de 17 produtores do projeto de assentamento Zaqueu Machado está fazendo o maior sucesso numa feira de produtos orgânicos em frente à sede do Incra em Rio Branco.

Toda sexta-feira os produtores chegam as 04hs e vão logo montando as bancas e expondo os produtos. A pressa tem uma explicação: é que muitos clientes, ainda na madrugada, vão comprar as hortaliças.

A história desses produtores merece ser contada. Eles viraram exemplo, e, mostram, que, através do trabalho e da persistência é possível viver da atividade rural. O projeto de assentamento Zaqueu Machado está situado na BR-317, a 18 quilômetros de Capixaba.

Uma das primeiras propriedades que encontramos é a do Laede da Silva. Ele está no projeto desde sua criação. Há 13 anos ele é uma espécie de líder de um grupo de produtores, que trabalham apenas com hortaliças orgânicas. Nada de agrotóxico, apenas a terra, misturada com esterco de gado e muita água.

Laede tem uma renda de quase R$ 700 por semana. “Eu não preciso viver na cidade de emprego. Aqui na minha terra eu consigo uma renda digna e bem perto da minha família”, completou.

O vizinho dele, Antônio Pereira, também tem uma farta horta. Ele vive só do que produz nos 15 hectares do seu lote. Aproveita cada espaço para plantar de tudo um pouco. Mas como ter esse sucesso na atividade rural, essas famílias usaram uma fórmula infalível: atitude e vontade.

A Feira do Sucesso

Os produtos orgânicos e de boa qualidade atraem os mais exigentes. As frutas, verduras, hortaliças, galinha caipira, pato, peixe, doces, queijos e tapiocas são alguns produtos que não faltam.

Quem vem a primeira vez à feira sempre volta, disse a comerciante Aldira Soares. “Para a minha lanchonete só compro os produtos orgânicos do pessoal do Zaqueu Machado. Venho de madrugada na minha bicicleta, para não perder os melhores produtos”, disse.

Os produtores devem ficar no máximo até as 13hs no estacionamento do Incra, mas como as vendas são garantidas, até as 10hs tudo foi vendido.

Histórias para contar

Esse vai e vem de clientes é que mudou a vida da produtora Maria Helena da Silva. Ela pensava em abandonar a propriedade, agora com uma renda mensal que chega a dois salários mínimos, pensa em investir mais na terra.

O produtor João Pereira da Rocha também quase abandonou o lote. Agora vive contando os lucros com a venda de galinha caipira, patos e até traíras que tira de um lago natural que fica nos fundos da propriedade, além, claro, das hortaliças.

“Mesmo eu tendo uma área rural, eu trabalhava como pedreiro para manter minha família, só com a feira é que larguei a construção civil e me dediquei a minha horta. Agora ganho mais e vivo melhor”, garantiu Rocha.

João Rocha contou ainda um pouco de sua rotina. Segundo ele, quando o sol bate na janela, ele se levanta e corre para cuidar da horta, depois alimenta as galinhas e vai para o pomar onde garante boa parte de sua renda vendendo polpa de frutas. O produtor nos mostrou um lago natural nos fundos da propriedade onde ele consegue as traíras e outros peixes que vende na cidade.

Outra que está na feira é a Marinete Silva. Na propriedade dela, a família está construindo um curral moderno. O dinheiro vem principalmente das hortaliças. Com as poucas vacas que tem fabrica doce e queijo.

A banca da Marinete é a mais cheia. Ela vende hortaliças, doces, queijos, leite, frutas e, na sexta-feira passada, conseguiu vender em quatro horas tudo o que tinha levado. “Hoje conseguimos ter uma vida melhor graças a essa feira. Meu marido já pensa em largar um emprego que ele tem, só para ficar na propriedade”, concluiu.

O sonho desses produtores do Zaqueu Machado é montar uma cooperativa e ter um selo de qualidade. Assim atrai mais clientes e mais produtores podem entrar nesse seleto grupo de trabalhadores.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*