Banner Mulherbichos

Protetora de animais de Rio Branco precisa de ajuda para manter trabalho

Aposentada recolhe animais abandonados, cuida e os coloca para adoção

A aposentada Maura Akino encontrou nas redes sociais o portal de divulgação que precisava para encaminhar animais para a adoção. Ela recolhe animais abandonados ou que sofrem maus tratos, cuida dos bichinhos e depois, através do Facebook encontra novos donos para eles.

O início desta história de amor e dedicação foi quando Maura encontrou no lixo há 7 anos, a gata “Gueta”, seu “pet” de estimação. “Eu estava passando e perto do mercado Elias Mansour vi no meio do lixo uma sacola com algo se mexendo. Quando eu peguei era uma gatinha recém-nascida toda suja com os dois olhos furados”, conta emocionada.

A compaixão pelos bichos fez da aposentada uma protetora disposta a qualquer esforço para cumprir com sua missão.  “Eu quero e peço para a população que páre de maltratar os animais. Eles são seres vivos que sentem fome como a gente, dor como a gente, que sentem frio como a gente. E o amor deles é tão sincero”, chora.

Maura cuida no momento de 18 animais entre cães e gatos. Ela trabalha sozinha e conta com a colaboração de um vizinho que cedeu o terreno de casa, para abrigar a maior parte dos bichos. Só que o imóvel já está a venda e Maura começa a se preocupar com a continuidade do seu projeto. Os abrigos improvisados de madeira foram construídos pela aposentada, mas o sonho dela é que as casinhas sejam de alvenaria, em azulejo pra facilitar a limpeza e dar mais conforto aos animais.

Somente o amor já não é suficiente para Maura manter o seu trabalho. O salário que recebe é pouco para comprar os produtos de higiene tanto para zelar dos abrigos, quanto para dar banho nos cães e gatos. Ela conta com doações de ração, mas ainda são insuficientes. Maura defende a castração para o controle da população de cães e gatos. Ela sugere que uma das formas de as pessoas ajudarem, seja financiando a castração de um animal. “Pode parecer caro pra mim que ganho um salário mínimo, mas pra quem tem dinheiro não é caro”, disse.

Maura mantém seu trabalho sem fins lucrativos no antigo ramal da Judia, próximo ao módulo de saúde da Avenida Amadeu Barbosa.

Deixe uma resposta