180219-cotidiano-balsa-rio-madeira

Rio Madeira volta a subir em Rondônia

Águas já dificultam acesso à balsa

O nível do rio Madeira voltou a subir e em algumas rodovias federais, as águas já invadiram as pistas. Veículos de pequeno, médio e grande porte encontram um pouco de dificuldade para passar pelas partes alagadas. Nesta segunda-feira (18), ele ultrapassou em dois centímetros a cota de alerta, que é de 22 metros, e devido a algumas obras estruturais de elevação do nível da pista, ele ainda não comprometeu a trafegabilidade entre Rondônia e Acre.

Mas isso não significa dizer que o estado não corre o risco de ficar, mais uma vez, isolado. A situação exige monitoramento constante, a ponto de o governo decretar Situação de Atenção no estado do Acre. A medida foi publicada no Diário Oficial e coloca a disposição da Defesa Civil, todo apoio material e de pessoal necessário de todas as secretarias do estado.

“A situação de atenção antecede outras etapas quando temos uma ameaça real de um desastre, então temos primeiramente a situação de atenção, a situação de alerta, situação de emergência e de calamidade pública. O governador achou por bem decretar a situação de atenção, justamente para lançarmos mão de meios e pessoas para fazer frente diante de uma possível demanda, se por caso tivermos um transbordamento.” explicou o major do Corpo de Bombeiros, Cláudio Falcão.

A enchente de 2014, em alguns trechos de BR-364, deixou a pista com dois metros e vinte centímetros de água. Os pontos mais críticos ficavam na altura do município de Ji-Paraná. O nível mais alto foi marcado em Março, quando o Madeira atingiu 25 metros e 53 centímetros, quase três metros acima da cota de transbordamento. “A Defesa Civil do estado do Acre, a Defesa Civil de Rondônia, Agência Nacional de Águas, as usinas e órgãos de controles, todos esses órgãos se reúnem semanalmente para avaliar a situação da BR-364, para o menor sinal de necessidade nós agirmos imediatamente minimizando danos.”

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*