Sede do Centro Pop em Rio Branco passa a funcionar no bairro Bosque

De acordo com a SASDH, a mudança é devido o prédio não ter mais condições físicas de manter os devidos atendimentos

A Secretaria de Assistência Social da Prefeitura Municipal de Rio Branco (SASDH) informou, que o Centro de Referência Especializado para Pessoas em Situação de Rua (Centro Pop) irá mudar o local de atendimento. Dessa forma, os trabalhos serão feitos em um novo prédio no bairro Bosque.

A Prefeitura de Rio Branco conseguiu identificar 395 pessoas que trocaram os lares e foram viver nas ruas, a maioria fica no Centro da cidade, mas esse público pode passar de 700 pessoas, 125 delas recebem refeições distribuídas diariamente pelo Centro Pop. Segundo a SASDH, se a pessoa estiver precisando de atendimento médico ela é encaminhada as unidades de saúde.

Mas o Centro POP também virou alvo de reclamações, os comerciantes e moradores dessa área central da cidade reclamam dos constantes furtos, as praças, as lanchonetes, prédios públicos viram pontos para consumo de drogas e descaso.

De acordo com a Secretaria de Assistência Social da Prefeitura Municipal de Rio Branco, a mudança não é devida as reclamações dos comerciantes, mas é que o prédio não tem condições físicas de manter esse tipo de atendimento. Além disso, ainda segundo a secretaria, não vale a pena fazer uma reforma, pois o imóvel pertence ao Judiciário, a saída será mudar de local.

A Prefeitura de Rio Branco disse que a abordagem a esse público não é fácil, a maioria é usuária de droga e tem envolvimento com facções criminosas e para ajudá-las o município não pode obrigar a nada, pois tudo tem de partir do consentimento da pessoa e raramente isso acontece.

Para a secretária Marfisa Galvão, o problema começa pelo preconceito, mas a mudança se faz necessária porque essas pessoas precisam de ajuda.

“Nós como poder público, não podemos pegar à força essas pessoas e tirarmos das ruas, precisamos realmente que eles tenham essa vontade de procurar as instituições e pedir a nossa ajuda ou a gente também faz abordagem social, perguntando se ele tem interesse de ser ajudado e assim com a manifestação dele, de forma positiva, a gente faz o resgate e leva até o Pronto Socorro, e assim fazemos os exames, acolhemos esse morador”, explica Galvão.

Com informações de Adailson Oliveira para TV Gazeta

01 Comentário

  1. Ai querem levar eles para um local aonde só tem moradores idosos e crianças assim não vão resolver e sim tirá a paz do moradores .

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*