thumb platelexfree

Telexfree: sócio diz provar que MPE-AC teria errado no processo

Em vídeo, Carlos Costa mostra supostos erros ministeriais

O sócio da Telexfree (Ympactus Comercial Ltda), Carlos Costa, mostrou supostos erros cometidos pelo Ministério Público do Acre (MP-AC) no processo que envolve o bloqueio das atividades da empresa. Em vídeo publicado na página oficial da empresa no Facebook, na noite de ontem (23), Costa diz que o MPE-AC bagunça o processo.

As alfinetadas é pelo motivo de o MPE-AC alegar que a empresa não atende aos pedidos da Justiça de entregar uma lista de documentos exigidos (veja a lista abaixo) e também por ter entrado com embargo de inversão do ônus – para a Telexfree provar que não pratica pirâmide financeira (entenda baixo).

Segundo Carlos Costa, em julho, recebeu uma liminar pedindo a relação de documentos. Ele diz que a empresa colabora com a Justiça e que todos os documentos pedidos pela Justiça foram enviados.

“O nosso processo pulou de mil folhas para 40 mil folhas. Todas as informações foram repassadas. Sabemos muito bem que a versão do MP-AC não é a verdade. Com certeza não vão obter êxito. A Ympactus nunca causou prejuízo a ninguém, pelo contrário, foi o próprio MPE que pediu o bloqueio”, ressaltou.

A Telexfree, que vende planos de minutos de telefonia de voz sobre protocolo de internet (VoIP na sigla em inglês), foi proibida de operar no final de junho por acusação de praticar pirâmide financeira. A operação do negócio está bloqueada, por tempo indeterminado, a pedido do MPE-AC.

Carlos Costa diz que irá pedir multa e mostrou vídeo da juíza da 2ª Vara Cível de Rio Branco, Thaís Khalil, responsável pelo processo, afirmando ter recebido os documentos solicitados.

“O MP-AC não consegue provar. É um verdadeiro absurdo o que fez entrando com este embargo. Ele nunca pensou que pegasse uma empresa tão organizada. Nunca vão conseguir provar o que não existe. A luta é grande. Vamos lutar pela legalização do marking multinível no Brasil”, ressaltou.

Procurada pela reportagem, a promotora de Defesa do Consumidor, Alessandra Marques, estava em reunião. 

Inversão do ônus

Dias atrás, os advogados da Telexfree entraram com embargo de inversão do ônus contra o MPE-AC, quando a juíza Thaís Khalil reconheceu que os investidores da empresa não são consumidores, mas divulgadores do serviço. Os advogados da Telexfree pediram provas do MPE-AC de onde estariam os erros praticados da empesa, e agora o órgão pede a mesma coisa da Telexfree.

Documentos solicitados

Lista de todos os divulgadores

Quantidade por estado

Os planos adquiridos

Total de investimentos realizados pelos divulgadores

Valores recebidos pelos divulgadores

Desde o início até a presente data

Cópia do último balanço patrimonial da empresa e dos sócios

Relação de bens, móveis e imóveis da empresa e dos sócios

Contrato da Ympactus com a Telexfree

Faturamento da empresa com a venda dos planos VoIP por especificação

Fornecer o número dos clientes VoIP ativos e o número de divulgadores

Valores repassados para a Telexfree nos Estados Unidos

Deixe uma resposta