Acre tem participante no mais importante prêmio literário do país

O concorrente também é presidente, em exercício, da Academia Acreana de Letras (AAL)

O Prêmio Jabuti 2022 é a gratificação mais importante da literatura brasileira e revela o conjunto de obras que mais se destacaram do ano anterior. Ele também é um prêmio que pode abrir muitas portas para os vencedores em suas respectivas categorias, e quem poderá vivenciar essas oportunidades, é o Renã Corrêa Pontes, de 54 anos, presidente, em exercício, da Academia Acreana de Letras (AAL), que está entre os participantes dessa competição literária.

Essa ação é feita desde de 1958 e neste ano de 2022, é realizado a 64ª edição. Apesar de não ser uma competição recente, Renã Corrêa, é o segundo acreano a entrar na disputa pelo prêmio. O participante nasceu em Senador Guiomard, mas mora atualmente na capital acreana. Ele é formado pela Faculdade Católica de Educação Física Claretiana de Batatais, também é escritor e poeta.

Foto: cedida

Em 2021, ele publicou o quinto livro de poemas, “Pedra, Terra e Buquê”, segundo Pontes, foi um trabalho muito árduo, juntamente com uma equipe do estado da Bahia. Segundo o poeta, toda produção foi necessária, pois ele já tinha o objetivo de colocar o livro para concorrer.

“Eu produzi o livro com a intenção de participar do Prêmio Jabuti 2022. A obra é divida em quatro atos: romance e poema, e é uma coisa que só os técnicos entendem. Os poemas são técnicos, são metrificados, a própria capa alltape, que significa todos os tipos. Capa das antologias, onde não se coloca imagens, apenas letras. Por isso, que são apenas três letras na capa: “Pedra, Terra e Buquê”, explica o escritor.

Foto: reprodução

Todo critério de avaliação é feito de uma forma muito apurada, com isso, quaisquer erros ortográficos ou outros impasses no livro, já podem fazer com que o candidato seja desclassificado.

“Esse livro é uma obra impecável, você não vai achar um erro de português, nenhum erro de crase ou regência, nada, pois são requisitos para esse prêmio. Imagine os jurados com 3 mil livros, então, os erros que eles forem achando, já vão jogando de lado”, afirma.

No atual momento, o acreano encontra-se na fase da competição em que na próxima etapa serão escolhidos apenas 13 classificados, e após isso, sairá um único vencedor. Quando perguntado sobre a data dos resultados, ele disse que ainda não era possível dizer. “A apreciação das obras pelos jurados demora. Imagine um jurado apreciar mil obras, isso vai depender do andamento dos trabalhos, porque são 3 jurados”, salienta Pontes.

A premiação da competição literária será divida em dois troféus: um para editora e outro para o autor. Além disso, um valor bruto de R$ 100.000,00, divido em categoria: Conto, Crônica, Histórias em Quadrinhos, Infantil, Juvenil, Poesia, Romance de Entretenimento, Romance Literário, Artes, Biografia e Reportagem; Ciências, Ciências Humanas, Ciências Sociais e Economia Criativa.

6 Comentários

  1. O Acre teve em 2012 um acreano ganhando o prêmio Jabuti, com um livro de literatura em Direito. Antonio Jorge Pereira Jr, os pais dele eram dono do Expresso Radar aqui no Acre.

  2. Estamos na torcida pela escolha da merecida premiação. Parabéns talentoso Confrade escritor. Sua obra é primorosa. Somos mais você.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*