thumb Pelezinho

Presidentes de federações do Acre vão ter que se desgarrar das entidades

Secretário de Esportes tenta mudar realidade para fortalecer modalidades

As mudanças trazidas pela Lei Pelé, vai mudar a realidade comum nas federações de esportes no Acre: a perpetuação dos dirigentes no poder. Tem federação que o presidente está há mais de 30 anos a frente da entidade.

Pelas novas regras da lei, o presidente da  federação vai poder se reeleger apenas uma vez. Fica no máximo oito anos no poder.

As federações do Acre são conhecidas por sempre apresentarem o mesmo presidente. Em raras exceções, as eleições nas entidades mudam a cara dos dirigentes.

Segundo o secretário de Esportes do Estado, Petronilho Lopes, o Pelezinho, as mais conhecidas pela perpetuação no poder são a de: futebol, voleibol e basquete. Essa última, inclusive, a eleição realizada esse ano pode ser anulada pela justiça, e quem sabe depois de 20 anos apareça um novo presidente.

Outra eleição que deve parar na Justiça é da Dederação de Futsal. O presidente eleito, Gilson Albuquerque assume pela primeira vez, mas outro grupo que já esteve no poder quer anular a eleição. Gilson informou que aprova as mudanças na Lei Pelé, e até vai sugerir para que no estatuto da federações conste que o vice presidente também só possa ter uma reeleição, para evitar a trocar de poder.

O secretário de esportes disse que, enquanto as federações ficam no marasmo e brigas internas, o esporte no Acre não sai do esquecimento. Na próxima semana vai propor um grande encontro entre secretários municipais e presidentes de federações para que todos apontem caminhos para mudar a realidade.

Deixe uma resposta