101117-cotidiano-saudeemmovimento-agazetadoacre

Saúde em Movimento mobiliza bairro Calafate

Ações de promoção da cidade no bairro mais violento

Nossa equipe acompanhou uma aula de aeróbica no bairro Calafate. A ação faz parte do Programa Saúde em movimento, da prefeitura municipal, que já atendeu mais de 500 mulheres na região. De segunda a sexta, são ofertadas aulas de aeróbica e funcional, promovendo inúmeros benefícios à saúde das mulheres.

Antes da aula, batemos um papo com a dona de casa Antônia Pinheiro. Ela rasga elogios à professora Jéssica Menezes, que dá aula de aeróbica. É compreensível. Afinal, a educadora física participou de uma série de transformações na vida da dona de casa.

Depois que começou aulas de aeróbica e funcional, além dos 7 quilos que se foram, Antônia mandou embora a baixa estima e o mau humor. “Melhorou muito minha saúde. Além do companheirismo, das novas amizades que a gente faz aqui, a saúde foi a principal mudança”, disse.

A fisioterapeuta Janete Lemos perdeu 10 quilos nos últimos seis meses. Além da dieta balanceada e das caminhadas, ela contou com as aulas na quadra do bairro, pra conseguir o resultado. “A gente se sente aliviada e ganha disposição. Dores na coluna que sentia, não sinto mais. Então, é outra disposição”, explica.

A professora Jessica Menezes se tornou amiga das alunas, tanto que chama cada uma pelo nome. Hoje, são atendidas 80 mulheres, mas o projeto Saúde em movimento no Bairro Calafate já atendeu mais de 500 pessoas.

Os benefícios das atividades são visíveis ao corpo, mas a professora reforça que assim como o nome do projeto diz, o objetivo é ter saúde. “Algumas vem pra perder peso, outras pra ganhar condicionamento, ganhar massa muscular. Sem contar que muitas saem de quadro de depressão, pessoas que são curadas de depressão”, afirma a educadora.

As aulas acontecem na quadra coberta da praça do Calafate de 17 às 18 horas, de segunda à sexta. A professora é paga pelo município, então para as mulheres não há custo de mensalidade. Jéssica sua junto com as alunas, afinal, é preciso movimentar a turma.

“É cansativo, mas a gente tenta dar o melhor da gente. É cansativo, mas prazeroso e gratificando. A gente sai suada, a adrenalina sobe e vai tudo bem”, afirma.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*