Assermurb corre risco de falir após adquirir dívida de R$ 2 milhões

Endividamento aconteceu na última gestão do sindicato

A mesa atual da presidência do Sindicato dos Servidores Municipais de Rio Branco (Assermurb) está tomada de cobranças, dívidas e propostas de acordos. Atualmente o órgão passa por sua pior crise financeira, ao todo são quase R$ 2 milhões.

Só com o plano de saúde dos servidores o débito é de R$ 1,2 milhão, e as contas se estendem com médicos, clínicas, lojas de material de construção, posto de abastecimento e dívidas trabalhistas.

Uma comissão foi criada e toda a documentação da dívida será enviada ao Ministério Público do Estado do Acre (MPAC). A maior responsabilidade recai sobre o ex-presidente da Assermurb, Marquinhos Gama, que foi afastado em julho do ano passado para ser candidato. Quando o novo presidente assumiu, descobriu que o sindicato estava com uma grave situação financeira.

“Todos os dias chegava um ou outro, apresentando uma conta e por conta disso decidimos criar uma comissão para poder fazer esse estudo, levantar a real situação do sindicato. Negociamos algumas dívidas, mas tomamos a decisão de conversar com todos eles”, explica o presidente.

Junto com os documentos a comissão vai enviar para o MPAC um vídeo de uma casa de luxo que o ex-presidente do órgão colocou à venda juntamente com todos os móveis. A comissão quer saber como o imóvel foi construído, já que o salário recebido por Marquinhos Gama não seria suficiente para realizar essa aquisição.

Para se manter, o sindicato tenta fazer acordos. Com os planos de saúde a conta atrasada foi parcelada em 44 vezes, entretanto a Assermurb precisará pagar mensalmente R$ 30 mil. Outras empresas não aceitaram as negociações e iniciaram ações de cobrança na justiça.

A fim de diminuir o valor a ser pago nas dívidas, o sindicato decidiu vender parte da sua sede, o campo de futebol e onde fica a área verde já foram separados para a venda. Até o fechamento desta matéria o ex-presidente da Assermurb, Marquinhos Gama, não pronunciou sobre o assunto.

 

Com informações do repórter Adailson Oliveira (Foto: TV Gazeta)

Deixe uma resposta