Cheia do rio Madeira: deputados adiam viagem

Devido ao clima chuvoso, os deputados estaduais que fariam uma nova visita o trecho alagado da BR-364, em Rondônia, na manhã desta quinta-feira, 06, decidiram adiar a viagem.

De acordo com o primeiro vice-presidente da Aleac, deputado Moisés Diniz, apesar das inúmeras tentativas, a Comissão Especial de Investigação da Assembleia Legislativa do Acre não conseguiu dispor de um barco para locação para fazer a travessia.

O objetivo da viagem é conhecer o porto provisório construído no distrito de Abunã, onde operam as balsas que fazem a travessia de produtos para o Acre. Com esse novo trajeto o tempo de travessia chega a 3 horas de duração.

O parlamentar comunista está preparando um relatório para ser entregue à Defesa Civil Nacional. Segundo Moisés, essa 2ª ida ao local da catástrofe servirá de subsídio para a elaboração do documento.

A viagem deve ocorrer na próxima semana. A pretensão da Comissão é convocar representantes dos Departamentos de Engenharia e Economia da UFAC, da Fundação de Tecnologia e OAB/AC, para acompanha-los na visita, haja vista que a Comissão também investiga se enchente está ligada a construção das hidrelétricas e quais impactos econômicos a situação está causando ao Estado do Acre.

“Além dos deputados estaduais, a Comissão Especial pretende contar com a presença da Ufac, da Funtac, do Sindicato dos Engenheiros, da OAB dando o suporte jurídico para que investiguemos as causas dessa enchente”.

Comissão quer indenização

Os deputados estaduais, na manhã desta quinta-feira, 06, se reuniram com representantes da UFAC, Funtac, Corecon, Crea, Ibama, OAB/AC, Fecomércio, Senge e 7o BEC para tratar a respeito da Investigação acerca das causas da cheia do Rio Madeira e consequências na economia  do Acre.

O objetivo da Comissão Especial de Investigação da Aleac é fazer um levantamento detalhado a respeito das causas da enchente do Madeira e os efeitos na economia do Acre.

“Estamos reunindo engenheiros, geólogos, economistas e membros da OAB para fazermos um levantamento detalhado das causas da enchente do Madeira e os efeitos na economia do Acre. Vamos usar nosso papel político de investigação para colher depoimentos e dados estáticos, inclusive com oitivas dos presidentes dos conselhos gestores das hidrelétricas”, disse Moisés Diniz.

De acordo com Moisés Diniz (PC do B), que preside a Comissão, caso seja confirmado que devido falhas na construção das hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, no Madeira, irão pedir indenização pelos prejuízos causados à economia acreana com o isolamento do Estado.

“Depois de identificados os culpados será movida uma ação civil pública por danos materiais para ressarcir os empresários locais que estão tendo muitos prejuízos”, disse.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*